Retirada a "bandeira azul" de 15 praias galegas. Organizaçons ecologistas criticaram as distinçons por "falta de rigor" e "engano".
30 de Julho de 2003

Um dia depois de que o alcaide de Ribadeu, ante a evidente chegada constante e abundante de chapapote, decidisse retirar a "bandeira azul" da praia das Catedrais, a ADEAC (Associaçom de Educaçom Ambiental e do Consumidor), entidade acreditada para a concessom da ensenha "bandeira azul", decidiu, polo mesmo motivo, retirar esta dum total de 16 areais da Galiza (15 na CAG, todas na comarca da Marinha, e umha na comarca da Terra Navia-Eu, hoje sob administraçom asturiana): A Marosa, em Burela; Areia, em Viveiro; Esteiro, em Jove; O Torno e Cubelas, em Cervo; Areoura, A Rapadoira e Peiçás, em Foz; Altar, Benquerência/Valea, Areialonga, As Passadas e Lôngara, em Barreiros; Os Castros e As Catedrais, em Ribadeu; e Anguileiro em Tápia de Casarego. Ainda esta decisom afecta também a19 areais mais da costa cantábrica, situados nas Asturias, Cantábria e Euskal Herria.

Segundo a ADEAC, a decisom tem carácter temporário, e responde, segundo esse organismo, às inspecçons realizadas durante o fim de semana. Entretanto, a Junta de Galiza tenta, como vem sendo habitual desde o início da catástrofe, minimizar o problema e tapá-lo com propaganda e mentiras, argüindo que o banho nestas praias nom supom risco para a saúde em nengum caso, esquecendo, premeditadamente, que os efeitos do chapapote nas nossas costas vam mais alá dos problemas que poda ocasionar aos banhistas e ao turismo. Quem percorra nestas semanas de verao o litoral da nossa naçom, pode decatar-se facilmente da gravidade da situaçom, e da realidade diária que supom a chegada de novas manchas de chapapote, evidenciando que nom se trata dumha questom temporária e esporádica.
Convém lembrarmos que diversas organizaçons ecologistas tinham criticado a concessom do galardom "bandeira azul" a diversos areais galegos, denunciando a falta de rigor e o engano desta distinçom.





Voltar à página principal