Córsega: enquanto a FLNC-Uniom de Combatentes anuncia umha trégua nas acçons contra segundas vivendas de cidadaos franceses, a polícia detém François Sargentini, lider do partido Indipendenza

Sargentini, foi detido na sua casa, situada em Corti (no centro da ilha), registada por agentes da polícia judicial e da Divisom Nacional Antiterrorsitas (DNAT), por negar-se a facilitar às autoridades francesas mostras do seu ADN, solicitadas dentro dumha investigaçom judicial sobre umha acçom armada contra um veículo da gendarmeria, ocorrida em 1987, e em que resultou morto o gendarme Guy Aznar, e reivindicado entom pola FLNC. Outras 10 pessoas fôrom detidas com o mesmo motivo.

Esta detençom tem lugar horas antes da reuniom de grupos nacionalistas corsos, para debater sobre o conflito político que se vive na ilha e na procura dum acordo para as eleiçons que teram lugar no mês de Março, que estava anunciada para hoje. Esta reuniom, celebra-se em vésperas do debate sobre a situaçom política corsa convocado para a quinta-feira na Assembleia Territorial corsa. Neste debate, produzirá-se com toda probabilidade a volta dos membros de Corsica Nazione, que abandonárom o trabalho nesta instituiçom depois dos resultados do referendo sobre a reforma institucional da Córsega e em protesto por várias acçons judiciais e policiais.

Sargentini denunciou as "pressons políticas intoleráveis" exercidas polo estado francês sobre responsáveis nacionalistas, ao tempo que o seu colega de Córsica Nazione, Jean-Guy Talamoni afirmava que com esta provocaçom o governo quer obstaculiar "a uniom dos nacinalistas".

O Comité Anti-Repressom (CAR), organismo antirrepressivo corso, denunciou a detençom de Sargentini como "umha provocaçom por parte do Estado francês".

Hoje mesmo, a FLNC-Uniom de Combatentes, anunciava umha trégua condicional nos seus atentados contra as residências principais ou de verao de cidadaos nom corsos. "Pedimos ao movimento nacional corso que no seu projecto político inscreva de forma prioritária a congelaçom de toda compra de terras ou de bens por pessoas alheias à nossa comunidade de destino", afirmou a organizaçom armada num comunicado enviado à emissora de rádio Radio Corse Frequenza Mora. Ao tempo, anunciavam a imediata suspensom de acçons contra estas vivendas, "se umha vontade real de implicaçom de todas as partes concernidas se traduz, no terreno público, em resultados permanentes e significativos".

As vivendas nom pertencentes a cors@s tenhem sido objectivo freqüente das acçons dos grupos armados independentistas corsos.



Voltar à página principal