Córsega: aumentam a repressom francesa e a resistência armada independentista
3 de Setembro

O Estado francês continua detendo militantes independentistas e acusando-os de "terrorismo", numha continuaçom da estratégia repressiva iniciada durante a campanha para o referendo de 6 de Julho, em que foi rejeitada a proposta de modificaçom do estatuto administrativo da ilha. Ontem mesmo fôrom detidos em Bástia (no norte da Córsega) seis corsos acusados de pertencerem à Frente de Libertaçom Nacional da Córsega-Uniom de combatentes (FLNC) e de participarem nalgumhas acçons armadas das que nas últimas semanas tenhem acontecido contra interesses franceses.

As detençons semelham ter um claro conteúdo publicitário, umha vez que coincidem com a visita do ministro de Justiça francês, Dominique Perben, à ilha, onde anunciou novas medidas de protecçom do aparelho judiciário ante os contínuos ataques com explosivos que estám a sofrer sedes oficiais francesas.

No que vai de ano, fontes oficiais francesas contabilizárom mais de 200 acçons armadas na Córsega, a maioria concentradas nos últimos meses, já que até Julho vigorou um cessar-fogo anunciado polas organizaçons armadas independentistas corsas para favorecer as conversaçons com o Estado francês, finalmente fracassadas.

Em resposta à visita de Dominique Perben, ministro francês de Justiça, um artefacto de cinco quilogramas de explosivos foi colocado na prisom de Casabianda, a norte da Córsega, para fazê-lo explodir coindindo com a visita ao centro penitenciário por parte do ministro. Afinal, a bomba nom chegou a funcionar por um erro no sistema de detonaçom.





Voltar à página principal