Um subtenente da Guardia Civil acusado de narcotráfico continuará no seu cargo
15 de Agosto de 2003

Depois de ser detido e posto em liberdade polo julgado de Vila Garcia, o guardia civil acusado de pertencer a umha rede de tráfego de drogas poderia continuar em activo no corpo militar espanhol, ao nom ser decretada a inabilitaçom por parte do juiz encarregado do caso.

O argüido faria parte de umha rede em que também se integraria o empresário Baltasar Mouta Pinheiro, também detido e posto em liberdade com cargos. Ambos seriam as peças chave da operaçom, apesar do qual ficárom em liberdade. Entre os cargos de que som acusados está a falsidade documental, o suborno, o delito contra a saúde pública, revelaçom de segredo e tráfego de influências.

Nom é a primeira vez que se descobrem ligaçons entre corpos policiais e militares espanhóis e as redes de narcotráfico na Galiza, nas quais costumam participar relevantes empresários. Mas sim chama a atençom que o acusado poda continuar no seu posto como subtenente da Guardia Civil.




Voltar à página principal