A cobardia do governo PSOE-BNG
RETIRADO EM PONTE AREAS O BUSTO DE FRANCO

Operários do Concelho de Ponte Areas retirárom na manhá da terça-feira, sem prévio aviso, o busto do ditador Francisco Franco que presidia a praça maior da vila do Condado desde 1976. Sem contar com a Plataforma Cidadá que leva anos impulsionando o movimento social que solicita a eliminaçom de toda a simbologia fascista presente neste concelho, sem convocar ao conjunto d@s vizinh@s, o novo governo municipal do PSOE-BNG, -apoiado em quatro tránsfugas do PP-, optou por umha retirada "semi-clandestina" segundo denunciou mediante comunicado de imprensa NÓS-UP. A cobardia e os complexos do reformismo furtou que o movimento popular demolira o monumento num acto lúdico-reivindicativo de massas, preferindo a frialdade técnica e institucional, na manhá de um dia laborável, para sacar o busto e transladá-lo ao museu municipal.

A organizaçom política unitária da esquerda independentista denúncia que o "co-governo PSOE-BNG e o tándem Candeira-Mera demonstram ser um governo de "esquerda acomplexada", um governo que prefire evitar ferir a "sensibilidade" de aqueles que fôrom fieis ao fascismo, ainda que para isto tenham que atraiçoar a menos de um mês de mandado a umha parte importante d@s seus/suas votantes, em lugar de permitir a livre eclossom dos sentimentos que muit@s vizinh@s tivérom que agochar nestes anos. NÓS-UP quer denunciar o facto de que este governo começa a trabalhar na vila de costas ao povo trabalhador de Ponte Areas, algo inadmissível".

Dias antes militantes independentistas voltárom a encher de "pintadas" o conjunto do "monumento" solicitando a demoliçom e a prisom para o clam Castro.

A Plataforma Cidadá também emitiu um comunicado de imprensa no que denúncia ao Concelho por "agir de forma obscurantista, sem informar à vizinhança de Ponte Areas e à Plataforma do dia e hora de demoliçom do monumento". Segundo o portavoz desta entidade contacto por primeiralinha em rede, Marcos Lôpez Martins, no serám da segunda-feira o alcaide Francisco Candeira mentiu, quando após solicitar informaçom sobre os boatos que corriam pola vila, negou que ao dia seguinte o monumento ia ser retirado por umha brigada de obras.

A Plataforma está preparando umha festa popular para festejar esta conquista que com toda probavilidade terá lugar na vindoura fim de semana.

Igualmente reitera que nom se vai dissolver até que se eliminem todos os vestígios fascistas presentes nas ruas e até que se arquivem os processos judiciais contra @s militantes antifascistas encausados por pintar o "cabeçom" ou por exercer a liberdade de expressom.


Voltar à página principal