Governo USA persegue o direito de manifestaçom do povo norte-americano
Março de 2003

Os tribunais estado-unidenses tenhem proibido nas últimas semanas manifestaçons contra a guerra, principalmente a multitudinária marcha que finalmente discorreu polas ruas de Nova Iorque, com a escusa de nom poderem garantir a segurança com tanta gente nas ruas.
A ordem da juíza Bárbara S. Jones demonstra o estado de saúde democrática dos EUA e como os poderes do Estado temem os efeitos da crescente organizaçom e politizaçom dos movimentos de resistência contra a Guerra ao Iraque.
O jornal The New York Times divulgou que os organizadores das manifestações contra o ataque bélico a Bagdad denunciárom que a decisom do tribunal é um ataque aos próprios direitos constitucionais e que continuarám luitando pola preservaçom do direito de manifestaçom e de se oporem e protestarem contra as decisons governamentais.
Lembremos também como em Sam Francisco a segunda "marcha pola paz", que reuniu 150 mil pessoas, gerou uma verdadeira batalha campal entre os manifestantes e a polícia. Dezenas de pessoas fôrom detidas enquanto defendiam que a populaçom tinha a oportunidade de parar a guerra.
A repressom nos EEUU contra a oposiçom popular à guerra nom fica por aí. Diversos sites na Internet e jornais fôrom censurados e estám sofrendo forte pressom política, além de estarem sendo sistematicamente invadidos por hackers governamentais ou até mesmo eliminados polos seus servidores.


Voltar à página principal