Convocatória de referendo

A coordenadora de professorado Areanegra organiza um referendo contra a agressom militar imperialista no Iraque. Coincidindo coa data simbólica do referendo da NATO em 1986, o 12 de Março o conjunto da comunidade educativa galega está convocada a manifestar abertamente o clamor popular contra a guerra desautorizando o seguidismo militarista de Aznar.

A continuaçom reproduzimos o comunicado íntegro no que explicam os motivos desta magnífica iniciativa.

Estás a favor da intervençom bélica contra o povo do Iraque?

COMUNICADO URGENTE A TODO O ESTUDANTADO, PROFESSORADO
E PESSOAL NOM DOCENTE DE ENSINO MÉDIO GALEGO

Tod@s @s que sumamos as nossas maos para escrever a palavra VIDA na praia de Traba da Laje pensamos que é necessário parar os que escrevérom a palavra MORTE com chapapote, e agora querem escrevé-la com sangue no Iraque. De novo, temos que construir umha cadeia de humanidade e dignidade em solidariedade com o povo do Iraque.
Neste momento, quando a guerra, a mais negra de todas as marés, tenta asulagar as nossas consciéncias e tingir de sangue e morte o povo do Iraque, em Areanegra consideramos urgente e necessário que a comunidade educativa galega mostre a sua opiniom perante esta intervençom militar.
Por isso, desde Areanegra convocamos à Comunidade Educativa Galega (estudantado, professorado e pessoal nom docente) a manifestar-se em REFERENDO o vindouro 12 de Março.
Esta actividade persegue os objectivos seguintes:

1. Identificar e analisar os processos históricos, socio-económicos, políticos, culturais e religiosos que concorrem nesta guerra.

2. Formar umha opiniom crítica perante as intervençons bélicas e as conseqüências para os povos e as relaçons internacionais.

3. Educar para a paz e a convivência entre os povos, valores imprescindíveis que formam parte da programaçom pedagógica, e nom só como tema transversal, que todos os centros de ensino apoiamos.

4. Pór en prática um instrumento de consulta demócratica, que nos permite como cidadás e cidadaos exercitar o direito a tomar parte nas decisons políticas que nos afectam directamente.

Porque sabemos que um outro mundo é possível, e que está nas nossas maos: nas maos de tod@s @s que o 22 de Janeiro fomos mar, fomos terra. NOM podemos ficarmos petroleados, bombardeadas, ignoradas, manchados, asulagadas. Berremos e fagamo-nos escuitar a través dum REFERENDO.



Voltar à página principal