16 de Junho de 2002: MANIFESTAÇOM EM BARCELONA CONTRA A LEI DE PARTIDOS

@s manifestantes denunciárom o carácter fascista da Lei aprovada polo PP e o PSOE com o apoio de CiU

No domingo 16 de Junho, umhas 500 pessoas manifestárom-se em Barcelona contra a reforma da Lei de partidos aprovada polo congresso estatal, que suporá a ilegalizaçom de Batasuna, a esquerda independentisa basca, assim como a possibilidade de pôr fora da lei qualquer força política que questionar o regime espanhol actual saído da reforma do franquismo.

A manifestaçom percorreu as ruas cêntricas da cidade para acabar, às duas menos um quarto, na praça da Catedral, onde se leu o manifesto da Plataforma Catalana per les llibertats democràtiques i contra la llei de partits, manifesto que, além de denunciar esta lei e as suas conseqüências, demanda umha soluçom democrática ao conflito entre Euskal Herria e o Estado espanhol, baseada no respeito à vontade popular livremente expressada, no direito à autodeterminaçom de todos os povos submetidos polo Estado espanhol.

Finalmente, chamárom asociedade catalá para reagir com firmeza contra este recorte das liberdades democráticas.

No dia antes, Sábado 15, mais de 40.000 pessoas manifestaram-se em Bilbo sob a legenda "Ilegalizaçom nom, todos os projectos, todas as ideias, todas as pessoas", expressando a sua oposiçom a esta lei, que conta com o rejeitamento da maioria da sociedade basca.

A seguir, reproduzimos o manifesto feito público pol@s camaradas de Endavant-OSAN coincidindo com a citada campanha:


Manifesto de Endavant-OSAN em solidariedade com Batasuna e contra a nova Lei de Partidos Políticos

Endavant-OSAN, ante a vontade de reformar a Lei de partidos por parte do governo espanhol, e ante a ofensiva conjunta do governo e do poder judicial espanhol lançada contra a esquerda abertzale, quer manifestar que:

Condena a repressom e perseguiçom política contra a esquerda abertzale por parte do Estado espanhol, dirigida a eliminar do cenário político qualquer projecto que questioner a actual ordem social e política estabelecida e qualquer projecto político que luitar conseqüente e radicalmente, desde a raiz, por uns objectivos de justiça e liberdade.

Condena as detençons de membros da esquerda abertzale, especialmente as últimas detençons arbitrárias contra membros de Batasuna. Estas detençons e ilegalizaçons acham-se enquadradas numha estratégia de destruiçom da esquerda abertzale como é o sumário 18/98 e os casos do Egin, Egin Irratia, Ardi Beltza, Jarrai, Haika e Segi, Senideak e Gestoras pro-Amnistia, e agora Batasuna.

Rejeita umha reforma da Lei de partidos que quer ilegalizar e tirar a voz a umha formaçom política que representa os interesses de mais da metade da populaçom da Comunidade Autónoma Basca, bem como dumha ampla minoria em Nafarroa e umha outra minoria notável mas mais reduzida em Iparralde.

Rejeita os intentos de ilegalizaçom de Batasuna que nom farám mais do que agudizar o conflito que enfrenta Euskal Herria com o Estado espanhol, e que empecerá que umha grande parte do povo basco poda ver defendidos os seus interesses por umha formaçom política nas instituiçons bascas.

Por todo isto, Endavant-OSAN fai um chamado a todas as organizaçons políticas e a todos os movimentos sociais para mostrarem o seu rejeitamento da reforma da Lei de partidos e a apoiar a esquerda abertzales basca nestes momentos tam difíceis.

Voltar à página principal