Êxito da cadeia humana na Costa da Morte

Mais de 50.000 estudantes galeg@s secundárom hoje com grande sucesso a convocatória do colectivo de mestras e mestres "Area Negra", unindo mais de 40 quilómetros da costa cumha cadeia humana, desde Mugia a Lage.

Até a Costa da Morte chegárom autocarros de todo o país, Ferrol, A Corunha, Vigo, Fonsagrada... fazendo realidade a cadeia humana mais grande da história da Galiza.
A esquerda independentista estivo presente neste acto mediante a militáncia de AGIR em diferentes pontos da cadeia, denunciando a crise nacional que está a viver a nossa naçom. De facto o comunicado com que foi encerrado este novo acto reivindicativo foi redigido por umha militante da organizaçom estudantil independentista de Boiro. Mas as faixas de AGIR nom fôrom as únicas presentes, a mocidade consciente da grave situaçom que está a viver a Galiza e amplos sectores das classes trabalhadoras, despregarom faixas sob as legendas: "Há esperança se há rebeldia", "Por umhas rias limpas"...
O acto finalizou com o desenho, mediante os corpos d@s manifestantes, da palavra "vida".

Também houvo cadeias em outras localidades do país que nom puiderom participar na principal por falta de autocarros, como Ferrol ou A Corunha, onde se unirom dúzias de pessoas para protestar contra a gestom dos governos "galego" e espanhol na crise ecológica e sócio-laboral que assola o nosso país.
Destacar que a Junta da Junta da Galzia e o aparelho de poder da direita espanhola pressionou a diferentes empresas de autocarros para evitar e dificultar a realizaçom da cadeia humana, e que em vários localidades da Galiza houvo que fretar autocarros de empresas do norte de Portugal.


 

Voltar à página principal