10 DE DEZEMBRO: GREVE GERAL EM PORTUGAL

Os e as camaradas portugueses da Política Operária acabam de fazer público o seu apoio à greve geral prevista em Portugal para o próximo dia 10 de Dezembro. Reproduzimos o seu manifesto público ante a jornada de luita do povo trabalhador português.

ELES QUEREM ROUBAR AOS POBRES PARA DAR AOS RICOS
TODA A FORÇA À GREVE GERAL!

Se alguém tinha dúvidas sobre o programa do governo PSD/CDS, elas acabárom com as leis do Bagão. O governo quer realizar o sonho dos capitalistas: pôr @s assalariad@s a trabalhar mais e a receber menos, tirar-lhes meios de resistência, entregar a Segurança Social e os hospitais às companhias de seguros, pôr a leilom as últimas nacionalizadas... Tudo isto com o argumento da crise, como se a crise fosse culpa d@s trabalhadores/as e nom dos que governam.

A crise, fôrom eles que a causárom. Para engordar a classe capitalista com os milhons de Bruxelas, PS e PSD desmantelárom indústria, agricultura e pescas, vendêrom ao desbarato as empresas nacionalizadas, montárom umha economia de casino, baseada nos negócios do imobiliário e das obras públicas, no turismo e nos jogos da bolsa. Enquanto os ricos fazem fortunas astronómicas, o desemprego aumenta, o trabalho precário aumenta, o nível de vida desce, @s imigrantes som tratados como escrav@s, há já dous milhons e meio de pobres -onde estám as promessas da prosperidade que viria da Uniom Europeia?

Para lançar a vacilaçom no meio dos trabalhadores/as, dizem-nos que a greve "prejudica a economia" e que as cedências som no nosso interesse porque "estamos todos no mesmo barco". Mas nesse "barco" o lugar que nos é destinado é sempre o do trabalho duro e das privaçons, a eles cabe-lhes a boa vida. Só se luitarmos obrigaremos os capitalistas e os seus comissários no governo a recuar no roubo que nos querem fazer.

E agora a guerra! Inteiramente vendidos aos interesses das grandes potências, os governantes do país, sejam eles do PSD, do PS ou do CDS, ponhem a base das Lajes ao dispor da aviaçom americana para a nova guerra no Iraque, gastam fortunas em armamento, fecham os olhos ao massacre do povo da Palestina, montam sistemas de vigilância e repressom - o que é feito do regime democrático do 25 de Abril?

É precisa uma resposta enérgica e unida do movimento operário à ofensiva da direita, comandada polos grandes grupos capitalistas portugueses e europeus. E para isso é necessário um movimento sindical combativo, que dê voz aos plenários de empresa, que deixe de estar manietado pola burocracia, que nom se deixe enlear nas manobras da Concertaçom Social, onde nada se ganha e tudo se perde, que volte costas à CES, esse coio de agentes do grande patronato europeu. A missom dos sindicatos nom é velar pola "economia nacional" dos capitalistas, mas defender os interesses do mundo do Trabalho.

O êxito da Greve Geral pode ser um grande passo no reagrupamento das forças combativas do movimento operário. Apelamos à acçom unida dos trabalhadores e das trabalhadoras, sejam quais forem as suas tendências, por umha grande paralisaçom nacional no dia 10 de Dezembro.

Toda a força à Greve Geral!
Fora as leis do Bagão!
Nom às guerras do Bush!

30 de Novembro de 2002
POLÍTICA OPERÁRIA
Revista comunista há 17 anos na rua contra o Capital
Apartado 1682 1016 Lisboa dinopress@mail.telepac.pt.
www.politicaoperaria.planetaclix.pt


 

 

 

 

Voltar à página principal