O FRACASSO GLOBAL DO CAPITALISMO REAL


1 de Setembro de 2002

Em África vivem 300 milhons de pessoas em condiçons miseráveis. Cada ano produzem-se 2,2 milhons de mortes por diarreia. O nível do mar sobe 0,002 centímetros cada dia. No mundo há 854 milhons de analfabetos.

Os informes OFICIAIS sobre a pobreza e o meio natural do planeta, coincidentes com a Cimeira da Terra que nestes dias decorre em Johannesburgo (Suláfrica), dam ideia do fracasso do capitalismo como sistema mundial que, de manter o seu domínio, conduzirá ao colapso ambiental e social do nosso planeta.

Apesar disso, e mesmo levando em conta o pobre balanço de factos positivos que saírom de cimeiras anteriores, nem os mais pessimistas esperavam uns resultados tam desalentadores na Cimeira actual como os que se estám a produzir.

Organizaçons do sistema como o World Watch Institute, a Organizaçom Mundial da Saúde (OMS) ou as próprias Naçons Unidas (ONU) revelam um balanço extremamente negativo do capitalismo hoje globalizado. Vejamos alguns dados reveladores:

Mortandade infantil

- Cada dia morrem 30.000 crianças por doenças infecciosas que poderiam ser facilmente evitadas.

- O índice de imunizaçom nas crianças da África Subsaariana a diversas doenças está abaixo de 50%

- O vírus VIH já deixou 13 milhons de órfaos, a maioria em África, e calcula-se que em 2010 a cifra tenha aumentado até 25 milhons, segundo um informe conjunto da ONU, a Unicef e a USAID.

- O tracoma deixa seis milhons de cegos por ano, a maioria crianças menores de cinco anos.

- Metade das vítimas civis dos conflitos locais durante a última década, que deixou 2,6 milhons de mortos, fôrom crianças.

- A malária mata 1,4 milhons de pessoas por ano, a maioria crianças menores de cinco anos.
Água potável e Sanidade

- 1.100 milhons de pessoas carecem de acesso à água potável e segura, a maioria em África e Ásia. Por conseqüência, produzem-se anualmente 5 milhons de mortes. Mais de 500 milhons passam sede.

- 2.400 milhons de pessoas carecem de sistemas sanitários.

- Produzem-se 4.000 milhons de casos de diarreia por ano, e 2,2 milhons de mortes, o que equivale aos ocupantes de 20 avions "Jumbo" mortos em acidente por dia.

- Umhas dez mil pessoas morrem ao dia por doenças relacionadas com a água.

- a esquitosomiase, umha infecçom causada por umha parasita intestinal, atinge cada ano 200 milhons de pessoas.

- Meio milhom de mulheres morrem cada ano no parto por falta de assistência médica.

Educaçom

-113 milhons de crianças nom estám escolarizadas. 97% estám nos países mais empobrecidos, e 60% som crianças.

- No mundo há 854 milhons de analfabetos, dos quais 544 milhons som mulheres.

- As crianças nom escolarizadas vem-se na obriga de trabalhar como escravas ou de participar em guerras. Dous milhons de crianças trabalham na prostituiçom, e calcula-se que em todo o mundo pode haver 300.000 crianças soldados.

- Umhas 5.500 raparigas sofrem cada dia ablaçom do clítoris.

Contaminaçom ambiental

- Cada ano desaparece umha área de selva tropical equivalente a quatro Suíças, e cada dia perdem-se mais de 40.000 hectares de bosque.

- O nível do mar sobe 0,002 centímetros por dia.

- Produzem-se 80.000 envenenamentos por praguizidas ao dia.

- Também por dia, produzem-se 1,36 toneladas de resíduos perigosos, e deitam-se entre 6 e 20 toneladas de mercúrio ao mar.

- Emitem-se diariamente mais de 20 milhons de toneladas de dióxido de carvono, o gás que mais contribui para o aquecimento global do planeta.

- Metade de todos os rios do mundo estám altamente poluídos.

- 15% da superfície da Terra, 2.000 milhons de hectares, sofrem desertizaçom.

Desigualdades sócio-económicas

- 4.000 milhons de pessoas vivem com um dólar por dia.

- 5% dos mais ricos tenhem ingressos que som 114 vezes maiores que 5% mais pobres. Em África, 300 milhons vivem em condiçons de pobreza extrema.

Contra esta realidade, dezenas de milhares de pessoas voltárom a respostar umha Cimeira capitalista internacional com mobilizaçons de rechaço. Nesta ocasiom, as ruas sulafricanas acolhêrom um massivo rejeitamento especialmente dedicado ao imperialismo ianque capitaneado por Bush e ao seu aluno avantajado no Médio Oriente, com o assassino sionista Ariel Sharon como chefe.

Voltar à página principal

 

Imagem de umha das mobilizaçons anticapitalistas em Johannesburgo