O Estado espanhol mobiliza as suas forças contra o nacionalismo basco

14 de Dezembro de 2003

Milhares de pessoas ocupárom as ruas do País Basco para rejeitar a construçom nacional de Euskal Herria e reclamar a sua espanholizaçom definitiva. A mobilizaçom, convocada polo movimento pró-espanhol "Basta ya", contou com a chegada de numerosos autocarros com simpatizantes e militantes do PP e o PSOE chegados de diversos pontos do Estado espanhol em apoio às forças basco-espanholas para tomar as ruas de Donóstia por um dia.

Multitude de bandeiras de Espanha, coraçons gigantes com as cores "rojigualdas" para testemunhar o amor d@s manifestantes polo projecto expansionista espanhol em terra basca. Presença de ministros, do novo líder do PP, do líder da oposiçom, de intelectuais a soldo, de jornalistas do quadro de pessoal do sistema,… e todo depois de vários dias em que os canais televisivos bombardeárom os lares pedindo a assistência, entrevistando líderes do "Basta ya" e mostrando a total parcialidade espanholista no caso de uns canais públicos totalmente submetidos à reaccionária linha política do PP.

A manifestaçom respondia à palavra de ordem "Con violencia no es plan, sino chantaje. Estatuto y Constitución", fazendo um jogo de palavras sem traduçom possível para o nosso idioma, mas que se corresponde com umha campanha levada a cabo nos últimos meses pola Falange espanhola sob a legenda "Lo de Ibarreche no es plan". De resto, a Falange espanhola participou na mobilizaçom, igual que a seita "Unificación Comunista de Espanha". Também salientava umha faixa de "Basta Ya" com o texto "El mejor plan: España". Outras palavras de ordem coreadas fôrom: "Savater, seguirte es um placer", "España, España, España", "Navarra es España", "Ibarretxe e Arzalluz ao Tribunal Penal", "lehendakari golpista", e outras semelhantes.

Dentro dos excessos verbais e factuais do sector mais ultra do espanholismo, as televisons mostrárom participantes a acusar o PNB de "fascista" e a reclamar nom se sabe que "liberdade" e "pluralidade" que teria sido usurpada polo nacionalismo basco. "Dá-me mais medo o PNB que a ETA", afirmava algum exaltado…

Ao tempo que essa manifestaçom percorria as ruas de Donóstia, a capital de Nafarroa registava umha mobilizaçom de milhares de pessoas contra a política de dispersom imposta polo Estado espanhol aos presos e presas bascos, que já custou a vida a 14 familiares em viagens às prisons espalhadas na Península e nas Ilhas Canárias nos últimos anos.

 

Voltar à página principal