A taxa de temporalidade do emprego feminino na Galiza atinge o 38 por cento

A taxa de temporalidade do emprego feminino na Galiza atinge "cifras históricas" do 38 por cento segundo a CIG, que assegura que este dado "nom tem precedentes e pode ser conseqüência da última reforma laboral".

Em 1996 a taxa de temporalidade feminina na CAG era de 31,6 por cento. O estudo sobre a "Situaçom laboral da mulher na Galiza no ano 2002", realizado por la CIG, sinala também que o 70 por cento do desemprego de longa duraçom na Galiza afecta basicamente às mulheres, que num elevado porcentage carecem de prestaçom por desemprego.

No ano 2002 o 95,6 por cento dos contratos realizados a mulheres fôrom temporais e de curta duraçom (três meses de promédio) e 2,5 contratos por mulher e ano.

A CIG também constata que o salário das mulheres é o 75 por cento do dos homes e que as mulheres trabalhadoras representam o 80 por cento do emprego da economia submersa.


Voltar à página principal