Junho de 2002

DECLARAÇOM DA ORGANIZAÇOM MARXISTA-LENINISTA FRENTE POPULAR PARA A LIBERTAÇOM DA PALESTINA (FPLP) EM RELAÇOM COM O ENCADEAMENTO DO SEU SECRETÁRIO GERAL

A FPLP acusa a Arafat de abuso de poder por nom libertar Saadat.

A Frente Popular para a Libertaçom da Palestina (FPLP) acaba de reiterar ao presidente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP), Yaser Arafat, a reclamaçom de que faga efectiva a libertaçom do seu secretário geral, Ahmed Saadat, declarando que a sua negativa a fazê-lo "nom é mais que um abuso de poder".

Nun comunicado divulgado em Damasco, a FPLP adverte que a postura de Arafat "é umha clara evidência de que nom pode levar a bom termo as pretendidas reformas políticas".

"Rejeitar o veredito do Tribunal Superior de Justiça palestiniana (que ontem decretou a liberdade de Saadat) revela como falsas as afirmaçons de independência judicial, e cria decepçom sobre o diálogo e a unidade nacional", explica o comunicado.

A opositora FPLP também reclama a liberdade dos outros quatro detidos, três membros da organizaçom acusados de matar o ministro israelita de Turismo, Rejavam Zeevi, e Fuad Shobaki, a quem responsabilizam de tentar fornecer armas à resistência palestiniana.

O Tribunal Superior Palestiniano ditaminou na segunda-feira 3 de Junho a libertaçom de Saadat, ao considerar que nom tem provas da sua implicaçom na morte do ministro israelita.

Sadat foi encadeado no passado 1 de Maio junto de outros quatro membros da FPLP na prisom de Jericó sob vigiláncia dos Estados Unidos e da Gram Bretanha, o que facilitou a libertaçom de Arafat, Confinado nos seus escritórios de Ramala desde o dia 29 de Março.

Voltar à página inicial