FORÇAS INDEPENDENTISTAS DE PORTO RICO BUSCAM A UNIDADE


27 de Julho de 2002

Os movimentos pola independência de Porto Rico caminham para a unidade visando intensificar a luita contra a presença da Marinha de Guerra dos Estados Unidos na ilha de Vieques, como indicou o acto realizado no passado dia 27 no sudoeste de Porto Rico. Foi o "Protesto de Guárnica" - cidade por onde entrárom as tropas dos EUA em 25 de julho de 1898. Promovido polo PIP (Partido Independentista Portorriquenho), realizou-se sob o lema "Nom mais colónia, umha só bandeira", em claro repúdio à condiçom de Estado livre associado aos EUA, que vem de completar 50 anos.

Centenas de independentistas comparecêrom e aplaudírom a presença de sua heroína Lolita Lebrón, 82 anos, e do seu companheiro de luitas Rafael Cancel Miranda, que passárom 25 anos encarcerados nos Estados Unidos.

Em 1954, precisamente para denunciar a criaçom do Estado livre associado, Lolita chefiou um comando integrado por Cancel Miranda, que atacou o Congresso dos Estados Unidos, ferindo vários parlamentares. Anos depois de ser libertada, ela explicou que jamais pensaram em matar nengum congressista, e por isso disparárom para o alto.

Os dous ex-prisioneiros políticos sempre tinham guardado distáncia do PIP, que se opom à luita armada como via para alcançar a independência. O PIP, por sua vez, opunha-se ao Partido Nacionalista e a sectores da esquerda marxista-leninista.
Ontem, porém, assistírom ao acto René Torres, da organizaçom esquerdista Congresso Nacional Hostoniano (CNH), o ex-preso político Heriberto Marín, participante do levante nacionalista que em 1950 proclamou a Segunda República de Porto Rico, e os dirigentes de Vieques Ismael Guadalupe e Carlos Zenón.

Zenón está em liberdade há apenas duas semanas, após ter cumprido seis meses de cárcere numha prisom federal, por desafiar a Marinha estado-unidense em Vieques. O ex-prisioneiro, de tendência marxista, expressou a necessidade de o independentismo buscar pontos de convergência. Dixo que a sua presença no acto do PIP visava contribuir para o processo de unidade contra a presença militar dos EUA na ilha onde habita.

Guadalupe concordou que os distintos sectores independentistas precisam de somar forças para que a Marinha encerre os 60 anos de bombardeios em Vieques - umha pequena ilha a leste de Porto Rico, com 9.600 habitantes.

O presidente norte-americano George W. Bush dixera que a Marinha deixaria a ilha de Vieques no máximo até Maio de 2003. No entanto, oficiais de alta patente insistem na necessidade de prosseguir com as operaçons de treino. Diante disso, o PIP e os sectores independentistas de esquerda buscam construir umha estratégia conjunta contra o reinício dos bombardeios na ilha. O Pentágono nom confirma, mas há denúncias de que um novo exercício de bombardeio terá início em Outubro.

Voltar à página principal