A rapina empresarial ianque paira sobre o Iraque
12 de Maio de 2003

A Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento (ASAID) já orçou a reconstruçom do Iraque em 100 bilhons de dólares. Agora vimos saber que a elite governante e responsável pola guerra que devastou o Iraque já repartira previamente os milionários contratos para a "reconstruçom" do país entre empresas directamente relacionadas com os dirigentes políticos e com o Partido Republicano de Bush. Naturalmente, os aliados ingleses e espanhóis levarám também algum rendimento no reparto do botim, mas nom deixarám de ser migalhas quando comparadas com o grosso dos contratos, que o gigante imperialista reservou para si.

A seguir, apresentamos algumhas das ligaçons entre o Governo federal ianque e as contratas parar a dita "reconstruçom" do Iraque que eles mesmo destruírom:

Bechtel Corp.(BTP)
Construtora da Califórnia. Receberá 680 milhons de dólares USA para obras de engenharia. O principal executivo desta empresa é George Schultz, ex-secretário de Estado e actual membro da "Junta de libertaçom do Iraque" órgao consultivo criado por Bush com a tarefa de coordenar as tarefas de "reconstruçom do Iraque".

Kellogg Brown & Floot (KBR)
Empresa de construçom. Terá contratos no valor de 1 bilhom de dólares. Esta empresa é umha subsidiária da Halliburton pertencente ao vice presidente Cheney, que actualmente já controla parte dos poços de petróleo do Iraque.

Dennys Corp.
Empresa especializada em acçons para-militares, sob o disfarce de empresa de segurança, contratada para ajudar a "manter a ordem" no Iraque. Com um contrato de 50 milhons de dólares, este tipo de empresa é agora umha das meninhas dos olhos do Pentágono, grupos de mercenários como estes já actuárom na ex Juguslávia e em África como parte das tropas de ocupaçom dos EUA.

Eis parte do roubo em massa que os USA preparam no Iraque após a devastaçom das suas riquezas, além do genocídio e empobrecimento da sua populaçom. Isso sim, todo em nome da "libertaçom" do povo iraquiano e da "democracia".

Para maior descaramento, a campanha imperialista ianque no Iraque está já a ser paga com o petróleo espoliado. Bush exigiu da ONU levantar o embargo que impedia a venda do petróleo, e com o respaldo de França o Conselho de Segurança "liberou" o petróleo do Iraque. Enquanto o petróleo iraquiano nom volta aos mercado, o dinheiro iraquiano controlado pola ONU paga os "gastos" actuais e os EUA apropriárom-se dos fundos do governo iraquiano "retidos" nos bancos norte-americanos.

Este "gesto de boa vontade" de França e Alemanha foi seguida de umha declaraçom destes mesmos governos na cimeira da Uniom Européia em Atenas, de reconhecimento da ocupaçom em troca da participaçom das suas empresas na "reconstruçom".

Os EUA mantivérom-se fiéis ao ditado "Roma nom paga traidores": as empresas norte-americanas ficarám com 95% dos contratos e 5% serám distribuídos entre os demais países.

Voltar à página principal