UM EXEMPLO DE MANIPULAÇOM INFORMATIVA EM "LA RAZÓN"

Maite Soroa comenta nas páginas de Gara, sob o título de A paranóia estende-se, um caso eloqüente de manipulaçom informativa no jornal madrileno "La Razón". Como inventar umha "notícia" sobre Batasuna quando nom há material informativo

(Gara, 7 de Setembro de 2002)

À medida que se passam os dias, a santabárbara dialéctica do nacionalismo extremista espanhol vai-se esvaziando e a alguns só lhes resta o insulto ou o delírio como muniçom para o seu arcabuz jornalístico. Entendêrom esta como a última carga da cavalaria ligeira e, sem atender os sábios conselho de Von Clausewitz, esvaziárom toda a carga dos seus polvorins e agora, como na guerra de Gila, só lhes resta insultar o inimigo. Ou a sua inteligência. Como em "La Razón" de ontem.

A "notícia" intitulava-se, de jeito um bocado aparatoso, "Exteriores ajudou a ir a Johannesburgo a umha ONG em que se refugiou um batasuno condenado". Como podem ver, a cousa semelha grave.

A leitura da "informaçom" fai-se difícil polo lamacento da literatura, mas, em resumo, vinham a dizer que a Agencia Española para la Cooperación y el Desarrollo, organismo que depende do Ministerio de Asuntos Exteriores, contribuiu economicamente para a viagem de umha delegaçom da ONG Mugarik Gabe a Johannesburgo. Até aí os dados. O bom vem a seguir, quando os dous jornalistas assinantes desvendam que "se dá a circunstáncia de que na dita organizaçom, nos locais de Pamplona, se fechárom em 1994 seis insubmissos navarros, que quebrantárom o terceiro grau penitenciário e que fôrom posteriormente arrestados. Um deles é concelheiro de Batasuna em Berriorzar". Eis a chave.

Se seguirmos as pistas que achega "La Razón" e lhes aplicamos a lógica dedutiva de Garzón, nom demoraremos a concluir que se Batasuna é ETA e se um concelheiro de Batasuna se fecha nos locais de umha ONG que está subsidiada por umha agência dependente do Ministerio de Asuntos Exteriores, Ana Palacio está a subsidiar o aluguer de um refúgio da ETA. Ou seja, proporcionando infraestrutura. E se à brilhante deduçom se seguisse um desenvolvimento mais ou menos razoável, qualquer mente preclara concluiria que o corpo diplomático hispano, repartido polo mundo todo, vem sendo a prolongaçom de Xaki, que também foi ilegalizada por Garzón. E assim, algum mais despertinho que o resto pedirá que repatriem os embaixadores, cônsules e adidos diplomáticos, devidamente algemados, para a sua conduçom a Soto del Real. E se um Ministério colabora com a ETA, o Governo nom fica isento de mácula. E se peca o Governo, peca o se presidente. Como podem comprovar, a paranóia estende-se.

Voltar à página principal