Turquia, como Espanha, ilegaliza a dissidência independentista
14 de Março de 2003

Se bem o PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistám), principal força independentista curda em território administrado pola Turquia, era já ilegal, o Estado turco quer fazer desaparecer qualquer manifestaçom do nacionalismo curdo. O Partido Curdo Popular Democrático (HADEP), acusado de apoiar o PKK, acaba de ser ilegalizado. O presidente do Tribunal Constitucional, confirmou o "fechamento permanente do Hadep por ter-se transformado num foco de ajuda e amparo à organizaçom terrorista chamada PKK, que quer destruir a unidade e integridade do Estado turco".

O jurista acrescentou que o presidente do Hadep, junto com os fundadores do partido, tenhem proibida a actividade política nos próximos cinco anos, inclusive de pertencer a qualquer organizaçom. Além disso, o tribunal confiscou todas as propriedades do partido e declarou-no inexistente.

Mude-se PKK por ETA e HADEP por Batasuna e verá-se o claro paralelismo entre as actuaçons curdas e as espanholas.

Con todo, o Estado turco ilegaliza partidos de maneira sistemática desde a sua proclamaçom como República Turca, em 1923. Desde entom, 57 partidos políticos fôrom postos fora da lei pola "democracia" turca.

Especialmente implacável se tem mostrado o poder centralizado em Istambul com o independentismo curdo e com as forças revolucionárias. A língua curda chegou a ser prohibida e os topónimos dessa natureza sistematicamente substituídos, incluído o nome do país, o Curdistám, polo de Anatólia Ocidental, e o povo curdo dizimado com bombardeamentos indiscriminados, armas de todo o tipo e torturas sistemáticas.

Quanto à esquerda revolucionária turca, recentemente quase umha centena de presos e presas comunistas morrêrom nas prisons, empurrados à greve de fame pola melhoria das suas terríveis condiçons de vida.

Lembremos que estamos a falar de um Estado amigo dos Estados Unidos, o seu aliado estratégico nas últimas décadas graças ao domínio do poderoso e pró-ocidental exército, autêntico dono dos desígnios do território turco e do pedaço do Curdistám que ainda mantém sob controlo.

A seguir, apresentamos a listagem de partidos políticos ilegalizados desde 1925 até a actualidade:

Partido Popular Republicano (1925)
Partido Socialista Trabalhista e Camponês da Turquia (1946)
Partido para a Protecçom do Islám (1946)
Partido dos Trabalhadores (1950)
Partido Islamista Democrático (1952)
Partido Socialista Turco (1952)
Partido do Povo (1954)
Partido Democrata (1960)
Partido da Pátria (1966)
Partido da Ordem Nacional (1971)
Partido dos Trabalhadores Turcos (1971)
Grande Partido da Anatólia (1972)
Partido Trabalhista Turco (1980)
Grande Partido Turco (1983)
Partido do Bem-Estar (1983)
Partido Operário-Camponês (1986)
Partido Comunista Unido da Turquia (1991)
Partido Socialista (1992)
Partido Trabalhista Popular (1993)
Partido da Liberdade e a Democracia (1993)
Partido Socialista Turco (1993)
Partido Verde (1994)
Partido Democrático (1994)
Partido da Unidade Socialista (1994)
Partido da Democracia e o Progresso (1996)
Partido do Trabalho (1997)
Partido do Bem-Estar (1998)
Partido Democrático das Massas (1998)
Partido do Novo Acordar (1997)
Partido da Virtude (2001)
Partido da Democracia Popular (2003)






Voltar à página principal