USA reconhece que apresentou provas falsas contra o Iraque perante a ONU
10 de Março de 2003

Alguns documentos recentemente apresentados polos EEUU perante a ONU relativos ao suposto programa de armamento nuclear iraquiano som falsos. O director da Organizaçom Internacional da Energia Atómica (OIEA), Mohamed El Baradei, declarou na sexta-feira no Conselho de Segurança da ONU que os documentos achegados polos EEUU fôrom falsificados. Neles tentava-se provar que o Governo iraquiano procurava comprar uránio para fazer a bomba atómica, dentro da estratégia ianque de acusar o Iraque da posse de armas de destruiçom em massa.
O próprio Governo ianque reconheceu a falsidade documental em que incorreu e justificou-no na sua tentativa de ganhar apoios para a sua guerra de saqueio contra o povo iraquiano. Na realidade, manipulaçons como a que comentamos fam parte explícita da doutrina da Administraçom ianque, que recentemente reconheceu que promoverá falsidades e manipulará provas se isso servir aos seus interesses no mundo. Contodo, Powell insiste em que o regime de Bagdad é perigoso e exige "manter-se alerta", advertindo que se a ONU nom apoia a sua intervençom passará por cima dela como já fijo na guerra contra a Jugoslávia e o Kosovo.
Entrementes, vários estados membros do Conselho de Segurança da ONU confirmárom que manteriam o seu voto contra a resoluçom apresentada polos USA, Gram Bretanha e Espanha na sessom do dia 11 de Março. Também membros da maioria parlamentar trabalhista na Inglaterra ameaçárom com demitirem-se se Blair mantém o seu apoio a Bush à margem da ONU. Só o Governo espanhol e a sua maioria parlamentar mantenhem a sua adesom incondicional e inquebrantável aos planos genocidas dos EEUU.
Collin Powell pressionou firmemente durante os últimos dias os governos de países como o Chile, o México, Angola e outros, ameaçando-os com retirar-lhes empréstimos e favores se nom votarem a favor da guerra imperialista.





Voltar à página principal