Alcampo espiava o seu quadro de pessoal com cámaras de filmar

16 de Janeiro de 2009

A multinacional Alcampo, que conta na comarca de Trasancos com um dos seus maiores centros comerciais da Península, foi denunciada polo sindicato CCOO pola filmagem das suas trabalhadoras e trabalhadores durante a jornada laboral, imagens que a seguir utilizava para agir de maneira repressiva contra elas.

O 'hábito' patronal, que nom é exclusivo de Alcampo, é ilegal por incumprir a Lei de protecçom de dados de 1999, ao nom existir conhecimento de tais práticas por parte das vítimas da espionagem.

A partir das filmagens, a direcçom de Alcampo em Ferrol realizou despedimentos, sancionou, suspendeu de emprego e salário, etc, numha prática à margem das leis laborais reconhecidas e que deveriam ser sancionadas com nom menos de 60.000 euros, segundo o referido sindicato.

Fumar, comer e outras actividades permitidas pola empresa fôrom utilizadas para, a partir das filmagens, ir contra os direitos de trabalhadoras e trabalhadores concretos, numha modalidade de repressom laboral que é mais ou menos habitual em grandes empresas como a referida.

 

Voltar à página principal