Entidade assessora da UNESCO para o Estado espanhol critica Cidade da Cultura

26 de Setembro de 2008

O maioritário rejeitamento social ao faraónico projecto lançado por Fraga e continuado por Tourinho e Quintana continua a suscitar críticas dos mais diversos ámbitos, o que nom impede que a Junta continue avante com o mega-despropósito.

Desta vez, o Comité Nacional Espanhol do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios Histórico-Artísticos (ICOMOS-Espanha) aponta motivos urbanísticos para desqualificar por completo um projecto que define como "político" e contrário à conservaçom e ao protagonismo da cidade de Compostela como património da Humanidade.

As denúncias realizadas nestes anos sobretodo por sectores do mundo da cultura e da esquerda independentista som confirmadas num duro informe que considera a Cidade da Cultura como umha obra ao serviço dos interesses políticos, que esbanja dinheiro sem ter nengumha garantia para o seu óptimo funcionamento posterior, entrando em concorrência com o património histórico do centro da cidade.

O informe responde a umha consulta da Cámara Municipal (PSOE e BNG) sobre a instalaçom de um teleférico que conduza do centro a Gaiás. A resposta é negativa, desaconselhando a instalaçom dessa infraestrutura que "interfere na paisagem edificada e na paisagem rural", comprometendo "de forma directa ou indirecta fundos públicos".

A mais que provada inconveniência do projecto, por motivos económicos, ambientais e culturais, deveria ter servido para há tempo tê-lo paralisado. Porém, o apoio activo dos partidos governates na Junta fai com que continue avante, completando-se a aberraçom com a cessom a maos privadas da gestom do engendro.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

Um banqueiro espanhol, à frente da privatizada Cidade da Cultura. (+...)

 

Voltar à página principal