NÓS-Unidade Popular considera provadas as carências do novo Decreto para o ensino

25 de Setembro de 2008

Coincidindo com o início do segundo ano lectivo desde que foi aprovado o novo Decreto, que prevê um aumento no número de horas a ser leccionadas em galego, a organizaçom independentista NÓS-Unidade Popular emitiu um comunicado fazendo balanço dos resultados, muito aquém das necessidades do galego.

Além de nom se cumprirem os mínimos estabelecidos no decreto, as carências apontadas por NÓS-UP e por outras entidades sociais em 2007 mostram-se agora como determinantes para que o continuismo espanholizador caracterize a sua aplicaçom. Em concreto, destaca a falta de avaliaçom e fiscalizaçom do grau de cumprimento dos preceitos legais, o que NÓS-Unidade Popular explica pola falta de novidades no funcionamento das inspecçons educativas.

O comunicado conclui com umha referência ao desprezo que o português e a cultura lusófona continuam a inspirar nas autoridades autonómicas, e reclamando "um novo quadro legal que rompa com o falaz ‘bilingüismo equilibrado’ e reconheça, com todas as conseqüências, o galego como primeira língua da Galiza."

Pode-se ler o texto na íntegra aqui.

 

Voltar à página principal