Ministério do Trabalho e Junta da Galiza trucam as listas do desemprego

12 de Dezembro de 2008

Só na Galiza autonómica (sem contabilizar as comarcas excluídas da Autonomia) 7.000 desempregados e desempregadas ficam fora das estatísticas oficiais de pessoas sem emprego. O truque é simples: as administraçons deixam de fora pessoas que estám a receber formaçom ou que se consideram que precisam dela.

O número total de “pessoas sem trabalho” na Galiza é de 187.849, segundo as contas institucionais. No entanto, na hora de fazerem públicos os dados de desempregados, a Junta e o Governo espanhol coincidem em contabilizar 180.820.

O truque consiste, segundo se explica numha informaçom publicada polo portal Vieiros, na criaçom da categoria “outros nom ocupados” o registo de Demandantes de Emprego nom Ocupados (DENOS). O facto de estarem a fazer ou à espera de cursos de formaçom deixa fora da consideraçom de desempregados milhares de galegos e galegas que, com efeito, carecem de emprego.

No conjunto do Estado espanhol, essa batota afecta 264.538 desempregadas e desempregados nom contabilizados.

Na verdade, existem ainda outros recursos para reduzir artificialmente a estatística de desempregados: a categoria “com disponibilidade limitada” inclui trabalhadores e trabalhadoras com ocupaçons temporárias de baixa remuneraçom à procura de emprego para completarem os rendimentos. Na Galiza, há 12.739 pessoas nessas condiçons, também excluídas da lista de desempregados e desempregadas reconhecidas.

Apesar da maquilhagem, o desemprego aumentou na Galiza no mês de Novembro acima da média do Estado espanhol. Em concreto, os dados oficiais reconhecem um aumento de 7,36% face aos 6% da média estatal.

As previsons oficiais falam também de um aumento progressivo até Março de 2009, em que se a Galiza poderá atingir umha taxa de desemprego de 10,2%, a mais alta dos últimos quatro anos.

 

Voltar à página principal