APDR alerta sobre a impunidade de ENCE pola conivência da Junta

10 de Agosto de 2008

A Associaçom pola Defesa da Ria de Ponte Vedra denunciou a conivência existente entre a actual Junta da Galiza e a empresa de celulose ENCE, que dá continuidade à existente em tempos do fascista Manuel Fraga. Segundo um acordo assinado em 2001, ENCE iria pagar 6 milhons de euros entre o ano seguinte e 2006. Agora sabemos que, em todos esses anos, só pagou 662 mil, todos eles em 2003.

A informaçom nom parte da própria APDR, que poderia ser considerada 'parte' em funçom da longa luita que protagoniza contra a poluente empresa instalada em Ponte Vedra polo franquismo. É um organismo oficial, o Conselho de Contas, que esclarece os flagrantes incumprimentos de ENCE e o silêncio cúmplice da Junta da Galiza, tanto na etapa do Partido Popular, como na actual do PSOE e o BNG.

O pagamento dos 6 milhons estava relacionado com a execuçom de umha obra para afastar umha parte dos despejos contaminantes da empresa da costa pontevedresa, através de um emissário sumarino.

A quantidade inicial foi rebaixada por um organismo dependente da Junta, Águas da Galiza, para 4,1 milhons mas, mesmo assim, ENCE deu-se ao luxo de pagar só 662.000 euros sem que a Junta da Galiza denunciasse a situaçom de clara falta de pagamento.

Em lugar disso, o mesmo organismo que aplicara a rebaixa, Águas da Galiza, decidiu a suspensom da execuçom dos requerimentos de pagamento, segundo denuncia a APDR, pola suposta subida do cánom de saneamento correspondente a ENCE em 2004 e 2005 e outros amanhos irregulares, alheios ao acordo assinado pola Junta e a empresa em 2001.

A APDR estima agora em 4,55 milhons os euros que a empresa deve à administraçom autonómica galega, ao que deve somar-se 1,11 milhons polo tal cánom de saneamento. Segundo declaraçons do presidente da entidade ao portal informativo Vieiros, existe umha "conivência clara da Junta com ENCE", indicando que a Junta se submete "aos interesses empresariais" enquanto a deterioraçom da ria continua.

Mais informaçom sobre o assunto em Vieiros.

 

Voltar à página principal