Governo boliviano reclama julgamento penal internacional do executivo israelita

14 de Janeiro de 2009

A vergonha generalizada da passividade, quando nom cumplicidade, da prática totalidade de estados do mundo, perante o selvagem aniquilamento de pessoas na Faixa de Gaza por parte do Estado terrorista de Israel, conta desde hoje com outra excepçom: Evo Morales pediu a retirada do Prémio Nobel da Paz ao sionista Simom Peres, por justificar o terrorismo do governo do seu país, e um julgamento do primeiro ministro e do resto do governo de Israel.

Hugo Chávez foi o primeiro a romper o silêncio da chamada comunidade internacional, ONU incluída, expulsando a delegaçom diplomática sionista do seu país. Agora é o governo presidido por Evo Morales que rompe relaçons diplomáticas com Israel, polo genocídio que tam despiadadamente aplica contra o povo da Palestina.

Muito recomendamos assistir à totalidade dos 6 minutos longos que dura este vídeo, que situa a Bolívia na vanguarda da dignidade democrática mundial, e afunde ainda mais os principais estados capitalistas do mundo, Espanha incluído, na lama do colaboracionismo com crimes sistemáticos de lesa humanidade.

O programa socialista, que levou ao poder os governos venezuelano e boliviano, é novamente situado por cima do miserável, mafioso e assassino capitalismo, que mais cedo do que tarde deverá ser definitivamente derrubado do conjunto do Planeta.

Parabéns, povos dignos da Venezuela e da Bolívia!

 

Voltar à página principal