Galiza, cada vez mais longe da sustentabilidade

23 de Junho de 2008

A última ediçom do Informe Anual do Observatório da Sustentabilidade em Espanha (OSE) é, enquanto a Galiza nom contar com estudos próprios, a referência para estabelecer o nível de sustentabilidade ambiental da actividade socioeconómica galega. A entidade ambientalista Verdegaia, partindo desse informe, difundiu umha síntese de dados correspondentes à Galiza, que concluem um importante afastamento do modelo de desenvolvimento actual em relaçom aos necessários parámetros de sustentabilidade.

Assim, a Comunidade Autónoma da Galiza (território formado por quatro províncias, que excluem várias comarcas galegas) ocupa o quarto lugar entre as de mais elevados índices de emissons de gases associados ao efeito de estufa (graças ao modelo de transporte, sustentado no carro particular, e ao energético, baseado nas centrais térmicas mais poluentes).

Por outra parte, as administraçons presentes na Galiza nom aplicam critérios socioambientais nas compras públicas; os espaços propostos pola Junta para integrar a Rede Natura 2000 é insuficiente; a urbanizaçom de terreios naturais avança sem qualquer planeamento ou controlo; e duas cidades galegas fam parte da lista das cinco do estado espanhol que nom cumprem a directiva europeia de depuraçom de águas residuais: Compostela e Vigo.

A referida entidade ambientalista denunciou igualmente que, perante esta situaçom, a Junta nom acabe de apresentar umha estratégia para a sustentabilidade, compromisso incluído no programa de governo assinado polo PSOE e o BNG em 2005. Mais um ámbito, o socioambiental, em que o bipartido incumpre flagrantemente os compromissos adquiridos com o nosso povo quando, por fim, conseguir derrotar a direita franquista do Partido Popular.

 

Voltar à página principal