Guerra contra Hamas?: umha breve resposta à desinformaçom sionista

5 de Janeiro de 2008

Khalid Amayreh é um jornalista israelita que vive na cidade ocupada palestiniana de Dura, na Cisjordánia. Enfrenta a perseguiçom do Estado sionista polo seu activismo informativo em favor dos direitos civis e nacionais do povo palestiniano. Neste artigo, combate as mentiras que Israel constrói para justificar a sua estratégia assassina, a começar polo mito de que os actuais massacres fam parte da sua "guerra contra Hamas".

Uma breve resposta à desinformaçom sionista

Os operacionais do hasbara [1] sionista tenhem estado a afirmar que a actual carnificina genocida em Gaza é umha "guerra contra Hamas" e que esta foi necessária só polos disparos de rockets palestinianos sobre Israel.

Isto é umha grande mentira, como se verá a seguir:

"Hamas dixo reiteradamente que estava desejoso e pronto para cessar "todo" o disparo de projécteis a partir de Gaza desde que Israel levantasse o seu bloqueio mortífero. E Israel reiteradamente dixo "Nom".

Israel tem estado a dizer ad nauseam que terminou a sua ocupaçom de Gaza. Bem, porque entom Israel retém o seu controlo dos céus de Gaza, das costas de Gaza, do mar de Gaza, dos lugares de cruzamento da fronteira de Gaza (mesmo com o Egipto)? Porque Israel retém o controlo da vida de Gaza?

Portanto, a questom dos disparos de "rockets" sobre Israel (trata-se de projécteis feitos artesanalmente que fazem mais ruído do que dano) deveria ser encarada em grande medida como algo para desviar a atençom.

Efectivamente, Israel deu aos palestinianos em Gaza umha de duas escolhas: morrerem à fame devido ao bloqueio ou serem exterminados pola máquina de guerra israelita.

Na verdade, os chamados "rockets" nom som senom um protesto desesperado por justiça, polo levantamento do bloqueio mortífero. Gaza foi simplesmente reduzida a umha Auschwitz dos dias de hoje. A única diferença é que judeus estám agora a desempenhar o papel das SS.

Hamas cumpriu meticulosamente um cessar fogo de seis meses, apesar da persistência do bloqueio estilo nazi que se assemelha muito ao cerco do Gueto de Varsóvia em 1942-43. Contodo, em 13 de Novembro Israel executou umha incursom dentro de Gaza, matando seis pessoas.

Indo directamente ao principal, Israel matou 49 palestinos durante o cessar fogo. Nem um único israelense foi morto nesse período.

Além disso, centenas de palestinos perecêrom porque Israel nom lhes permitia que tivessem acesso a cuidados médicos ou remédios. Vim muitos palestinianos morrerem na agonia porque a "luz das naçons" nom lhes permitia chegarem ao hospital uns poucos blocos mais adiante. Em suma, estamos a falar acerca de um Estado judeu-nazi. Estou a dizer isto porque quando judeus pensam, comportam-se e actuam como nazis, eles tornam-se nazis. Devemos chamar a pá de pá, especialmente quando acontece ela estar nas maos dos nossos coveiros.

Portanto, é umha grande mentira chamar a esta guerra umha guerra contra Hamas. Isto é umha guerra de extermínio estilo nazi contra o povo da Palestina.

Se a guerra fosse contra Hamas, como os criminosos de guerra de Tel Aviv continuam a afirmar, Israel nom teria alvejado praças de mercado, farmácias, edifícios de faculdades, lares privados, mesquitas, instituiçons culturais, estradas, negócios, etc.

Só um Estado com umha mentalidade hitleriana alvejaria umha sociedade inteira e a seguir afirma que está a combater Hamas! É simplesmente umha enorme mentira.

Assim, Israel está simplesmente a executar um genocídio real... e aliás um genocídio indiscriminado.

Hoje, mesmo um eminente rabi judeu utilizou o termo "genocídio" para descrever o que Israel está a fazer em Gaza.

[1] Hasbara: palavra hebraica que significa literalmente "explicaçom". O termo é utilizado polo Estado de Israel e por grupos independentes para descrever os esforços destinados a explicar as políticas do governo de Israel e promovê-lo no mundo todo.

 

Voltar à página principal