Segunda vítima mortal da violência policial no País Basco em 24 horas

14 de Março de 2004

As forças repressivas do Estado espanhol continuam a protagonizar umha vaga repressiva de envergadura no País Basco. Acabamos de ter notícia da morte de umha mulher de 58 anos numha das numerosas cargas policiais contra as mobilizaçons pola morte a tiros ontem de um vizinho de Iruñea.

As informaçons sobre as circunstáncias concretas da morte som ainda imprecisas e os meios de comunicaçom estám a silenciar os factos, mas sabe-se que 24 horas depois do assassinato de um padeiro navarro morreu umha vizinha da vila guipuscoana de Hernani, Kontxi Sanchiz, de 58, numha das cargas com que a Polícia autonómica basca, a Ertzaintza, rebentou ao longo do dia as mobilizaçons populares bascas. A mulher jazia no chao enquanto a polícia espancava os e as manifestantes, que inutilmente requerêrom aos uniformados que conduzissem a mulher a um hospital. A resposta foi "nós nom nos importamos com isso". Afinal fôrom os manifestantes que telefonárom para o serviço médico, mas a chegada da ambuláncia nom conseguiu evitar a morte da vizinha de Hernani.

Cumpre lembrarmos e denunciarmos como estes factos se derivam da intensa campanha de criminalizaçom que durante os últimos dias protagonizárom o Governo espanhol e as restantes instituiçons do Estado, partidos políticos afectos ao regime e a prática totalidade de meios de comunicaçom.

Além desta segunda vítima mortal em 24 horas, a violenta repressom policial em Euskal Herria está a produzir numerosos ferimentos e detençons nas ruas bascas. Entretanto, os canais televisivos continuam a dizer que a jornada eleitoral "trasncorre sem incidentes".

- Um polícia espanhol mata a tiros um cidadao basco que recusou colocar na sua loja um cartaz com a legenda "ETA nom" (+...)

 

Voltar à página principal