A Conferência Episcopal espanhola, tam reaccionária como Fraga

4 de Fevereiro de 2004

A Igreja católica espanhola voltou a dar mostras do seu carácter ultrarreaccionário com um documento que se situa na mesma linha que Manuel Fraga dias atrás, em relaçom com a violência machista. Lembremos que o ex-ministro franquista situou os abusos sexuais à altura do que chamou "amor livre", tratando de justificar o delito sexual do seu colega de partido, o presidente da Cámara de Toques. Agora, o máximo organismo católico no Estado espanhol responsabiliza "a revoluçom sexual" pola violência machista contra as mulheres.

Os bispos espanhóis falam da ruptura matrimonial como causa dos maus tratos a mulheres, apesar de os dados reais afirmarem o contrário: é no seio da família tradicional que ser produzem mais casos de violência contra as mulheres por parte dos homens.

A pastoral integrista católica ataca também o que denomina "lobbies gays", desrespeitando novamente a livre opçom sexual das pessoas e ratificando a doutrina repressiva promovida polo Vaticano e historicamente caracterizadora da instituiçom católica.

Lembremos que o Partido Popular aplica essa doutrina, com vários ministros como o da Defesa e o da Justiça adscritos à seita integrista Opus Dei, grupo de influência fundamental no seio da Igreja Católica. Mas nom só tenhem presença nos governos, como também nas principais empresas e centros de poder do capitalismo espanhol. Quanto à Galiza, os bispos, os dirigentes do PP e alguns do PSOE como Francisco Vasques partilham a linha ultra da Conferência Episcopal espanhola.

Além do mais, como temos memória histórica, sabemos que o integrismo católico está sempre à sombra do poder. Mantemos frescas as imagens dos bispos a abençoar o levantamento fascista em 1936; fazendo desfilar abaixo de pálio o general Franco durante décadas; cedendo as paredes das suas igrejas para recordar com letras douradas os líderes mortos da "cruzada nacional" dos fascistas; dedicando depois de 1975 missas a José António e ao próprio genocida Francisco Franco...

Ainda no passado mês de Novembro, o bispo da diocese de Mondonhedo-Ferrol, Gea Escolano, negava o recinto paroquial do Val, em Narom, à Associaçom Memória Histórica, que pretendia erguer um monumento às vítimas do franquismo no interior do terreno eclesiástico.

Por nojenta pudermos julgar a nova pastoral, a Conferência Episcopal mantém-se coerente com a linha histórica da instituiçom que representa.

Voltar à página principal


Conferência Episcopal espanhola: núcleo ultrarreaccionário e influente nos centros de poder do capitalismo espanhol, através sobretodo da seita Opus Dei