Desastres naturais matárom 5 vezes mais em 2003 do que em 2002

31 de Dezembro de 2003

Desastres naturais matárom cinco vezes mais pessoas em 2003 do que no ano anterior, parcialmente em razom do terramoto no Irám e da onda de calor na Europa central, informou a maior companhia resseguradora do mundo na segunda-feira.

A alemá Munich Re dixo no seu relatório anual sobre desastres naturais que 50 mil pessoas morrêrom no mundo neste último ano devido a terramotos, enchentes, tempestades, incêndios e temperaturas extremas que poderiam ser resultado de mudanças climáticas. Porém, esses cálculos calculárom em 20.000 o número de vítimas mortais no terramoto do Irám, e hoje sabemos já que as pessoas mortas atingírom as 50.000, ultrapassando assim as 40.000 de 1990 no anterior terramoto iraniano, o que eleva o número total de mortes em desastres naturais em 2003 a 80.000.

Mesmo com os dados nom actualizados da agência alemá, estamos ante a quarta vez que um índice tam alto de mortes é registado desde 1980. A Munich Re afirmou que a onda recente de temperaturas extremas deverá continuar. "Eventos incomuns como ondas de calor no ano que passou som outro sinal de mudança climática", dixo a Munich Re, maior seguradora de seguradoras do planeta. "Eles mostram que deveremos esperar um novo tipo de risco climático e potencialmente mais danos", afirmou.

A resseguradora dixo também que o calor recorde na Europa central deste ano pode ser considerado "o verao do futuro".

Os devastadores efeitos da intervençom humana sobre a natureza, estruturalmente ligados ao modo de produçom capitalista, estám a conduzir a nossa espécie ao desastre, segundo provam as mudanças no clima e o incremento dos desastres naturais de maneira cada vez mais incontestável.

Lembremos que, apesar das evidências, as grandes potências capitalistas como os EUA recusam-se a tomar qualquer medida tendente sequer a mermar os efeitos da sua catastrófica intervençom no Planeta.

Voltar à página principal


Meninha iraniana sobrevivente ao sismo da sexta-feira passada