Dura repressom contra a actividade sindical em Lugo

7 de Fevereiro de 2004

A Justiça espanhola, em plena ofensiva contra direitos históricos da classe trabalhadora, como o de expressom, o de greve e a liberdade sindical, em conluio com o próprio Governo do Estado, ataca com dureza a actividade sindical por parte da central sindical nacionalista galega, a CIG. Os membros de um piquete na última greve geral na cidade de Lugo fôrom condenados a penas de prisom. Em concreto, os três sindicalistas enfrentam penas de três anos e seis meses a seis anos e um mês de cárcere, e multas por cima dos 11.400 euros.

Numha sentença política que dá a volta ao acontecido, afirma que os membros da CIG cometêrom "delito contra direitos dos trabalhadores, danos, atentado contra a autoridade, lesons e maus tratos", quando na realiade estavam a denfender o contrário. É conhecido o hábito empresarial de proibir aos trabalhadores e trabalhadoras participar em jornadas de greve com ameaças aos postos de trabalho que ocupam, daí a necessidade de os piquetes percorrerem os centros de trabalho para garantir que os quadros de pessoal podem aderir à greve.

Este tipo de sentenças procuram sem dúvida afogar a capacidade de resistência da classe trabalhadora, através do castigo aos sectores envolvidos em actividades sindicais que contestam a progressiva deterioraçom dos direitos laborais do povo trabalhador galego.

Daí a importáncia de apoiarmos aberta e solidariamente os companheiros que sofrem a repressom. O nosso Partido manifesta essa solidariedade e chama a classe trabalhadora a nom deixar-se intimidar polas actuaçons repressivas do poder judiciário e as diversas forças policiais. Devemos também tirar como ensinamento a inexistência de um Estado "neutral" e "de tod@s", vendo o seu carácter de classe, contrário aos interesses das classes populares, além de negador dos direitos nacionais do povo galego.


Voltar à página principal