BNG insiste em reclamar umha planta de gás no interior da Ria de Ferrol

2 de Janeiro de 2004

Francisco Rodrigues, o deputado do Bloque no Congresso espanhol dos Deputados, criticou a elaboraçom de diversos relatórios sobre segurança e ambiente prévios à instalaçom da plata de gás de REGANOSA no interior da Ria de Ferrol. Em opiniom do deputado e dirigente do BNG, os estudos e relatórios sobre segurança e ambiente estám a mais, e a planta depende apenas da "vontade política" da Junta da Galiza e do Governo espanhol.

Atendendo às palavras de Francisco Rodrigues, a vontade da organizaçom política maioritária do nacionalismo galego é agora clara e favorável a um projecto paradigmático do capitalismo selvagem: umha planta de gás no coraçom da Ria de Ferrol. De produzir-se um acidente na citada instalaçom, depararíamos com umha catástrofe como outras já verificadas em diversos pontos do planeta. É o caso do acidente acontecido em Touluse em 2001, que causou 29 mortes e centenas de pessoas feridas. Por esse motivo, a legislaçom internacional proíbe a instalaçom de infraestruras desse tipo em áreas habitadas como é a Ria de Ferrol, e o conjunto do movimento ecologista galego rechaça semelhante hipótese.

O BNG navegou nos últimos anos entre o rejeitamento ao projecto de REGANOSA em Mugardos e a assunçom do mesmo, segundo quem e onde falasse em nome do Bloque.

Assim, Beiras reclamava a planta em comícios eleitorais nas Pontes, sabendo que ENDESA exige a construçom da planta para continuar a poluir nessa vila. Também em Mugardos, primeiro na oposiçom e agora no Governo municipal, o BNG defendeu e defende que a planta se instale nos terrenos resultantes do ilegal recheio de 100.000 metros quadrados realizado no seu dia por Tojeiro, empresário trasanquês muito bem relacionado com o nacionalismo autonomista.

Por seu turno, Jaime Velho, ex-presidente da Cámara de Ferrol, pedia que o projecto fosse trasladado à entrada da Ria, no porto exterior hoje em construçom. Outros sectores no interior do BNG tenhem manifestado o seu desacordo com a planta de REGANOSA.

Especialmente vergonhoso tem sido o papel da CIG como apêndice da estratégia eleitoral do BNG: da indefiniçom passou nos últimos tempos a aderir à posiçom agora hegemónica no Bloque, saindo à palestra o seu secretário geral acompanhado polo secretário comarcal (ambos militantes da UPG-BNG), para pedir também que o projecto da planta de gás vaia avante em Mugardos.

Na actualidade, o BNG vai mais longe do que as próprias instituiçons espanholas, reclamando que se deixem de realizar estudos e relatórios sobre segurança em relaçom com a planta de REGANOSA e se acometa a obra de imediato.

A esquerda independentista, através de NÓS-Unidade Popular, tem rejeitado reiteradamente o projecto, quer no interior da Ria, quer no porto exterior, umha vez que nos dous supostos a catástrofe estaria servida em caso de acidente. Segundo a valorizaçom da organizaçom unitária independentista, trata-se de um projecto continuísta quanto ao papel da Ria de Ferrol como simples depósito de lixo e de actividades perigosas e poluentes, que mesmo antes de acometer-se tem suposto já um enorme e ilegal recheio que, polos vistos, conta com a bençom do BNG.

Mais informaçom sobre o tema:

ADEGA critica a "irresponsabilidade" da possível instalaçom da planta de gás em Mugardos (+...)

A CIG também contra a Ria de Ferrol: agora defende a planta de gás em Mugardos (+...)

Voltar à página principal