Governo ianque continua a matar crianças no Iraque, enquanto tenta proibir o aborto nos EUA


27 de Abril de 2004

Um dia depois da morte de quatro crianças sob o fogo ianque na capital iraquiana, mais de um milhom de mulheres enchêrom as ruas da capital dos EUA, para defenderem o seu direito ao aborto, ameaçado polo presidente George W. Bush. A mobilizaçom foi multitudinária, ultrapassando as 750.000 mulheres que se manifestaram na histórica manifestaçom de 1992 com o mesmo motivo.

Nos últimos meses, fôrom derrogados progressivamente aspectos do direito ao aborto nos Estados Unidos, em concreto, proibindo o chamado aborto tardio e outorgando status jurídico ao feto em casos de violência contra a mae. As organizaçons de mulheres denunciam que se trata da antessala da proibiçom do aborto, que foi legalizado em Janeiro de 1973 nesse país americano.

Entretanto, deixando em evidência a trágica hipocrisia consubstancial ao capitalismo, o mesmo governo que di defender os direitos do "nom nado", mantém o massacre quotidiano contra todo um povo como o iraquiano, nomeadamente contra as suas crianças, quatro das quais morrêrom na capital por tiros de soldados ianques.

Dezenas de milhares de civis levam morrido no Iraque desde que o imperialismo norte-americano principiou a agressom contra esse povo.


Voltar à página principal