Confirma-se o massacre de populaçom civil por parte do imperialismo no Iraque. A guerrilha resiste e golpeia


7 de Abril de 2004

Os contínuos bombardeamentos das forças de ocupaçom contra o povo iraquiano alçado em armas contra a ocupaçom do seu país está a provocar um massacre de civis, segundo a directora do Centro Observatório da Ocupaçom em Bagdad, Iman Khamas. Os jornalistas tenhem proibida a passagem às zonas em que acontecem as maiores carnificinas por parte dos imperialistas, sendo-lhes rotas a cámaras para que nom podam ser difundidas imagens do que acontece em cidades como Falluja.

Só no dia de hoje, ao menos 67 pessoas fôrom mortas no Iraque. Delas, 45 civis iraquianos fôrom assassinados quando um helicóptero norte-americano atacou umha mesquita na cidade de Falluja, incidente que também deixou 5 marines mortos. Outros 60 civis ficárom feridos. "Queríamos matar as pessoas no interior" da mesquita, afirmou o tenente coronel Brennan Byrne, ao mando da operaçom genocida do exército ianque.

O helicóptero disparou três mísseis contra dezenas de iraquianos que se reuniram na mesquita "Abdelaziz al Samarai" para a prece da tarde. Vários veículos privados fôrom à regiom para transportar os feridos e os corpos para um hospital temporário da cidade, palco de violentos combates entre as tropas dos Estados Unidos e insurgentes iraquianos.

Os habitantes locais informárom que, além da mesquita, foi atingido um prédio adjacente, que abrigaria umha associaçom islámica. No chamado "triángulo sunita", Falluja é um dos principais feudos da resistência à ocupaçom e encontra-se há três dias cercada por tropas dos EUA, em alegado acto de vingança pola morte de quatro agentes secretos norte-americanos, mortos, queimados e arrastados polas ruas da cidade entre a aclamaçom popular.

Porém, as primeiras mortes de hoje nom fôrom em Falluja, mas em Ramadi, a Oeste de Bagdad, onde 12 marines dos EUA morrêrom e 24 ficárom feridos. O ataque foi realizado por cerca de 70 rebeldes armados com granadas, foguetes e armas automáticas.

Em Bagdad, dous soldados norte-americanos morrêrom e outro ficou ferido. Um deles estava num comboio atacado com foguete perto de um posto da polícia iraquiana e outro foi morto em ataque da resistência patriótica perto de Balad, no Norte de Bagdad.

Um helicóptero ianque caiu também hoje, perto de Baquba, a Norte de Bagdad, mas ainda nom há informaçons sobre vítimas. A queda do aparelho acontece depois que canais de TV árabes informárom que um outro helicóptero do mesmo tipo foi derrubado nesta manhá por patriotas iraquianos em Falluja. Um porta-voz das forças militares imperialistas dixo, no entanto, nom ter informaçons sobre o facto. Nom é a primeira vez que o comando ianque tenta ocultar as baixas e ataques certos da guerrilha.

Em Kirkuk, oito iraquianos morrêrom e outros 12 fôrom feridos em choques entre soldados norte-americanos e manifestantes que protestavam contra a intervençom militar em Falluja. Só nessa cidade, polo menos 30 civis morrêrom na últimas 24 horas.

Além disso, conforme a TV Al Arabija, testemunhas assegurárom que um veículo blindado espanhol foi destruído e incendiado em Najaf, a Sul de Bagdad, também nom informando sobre vítimas.

Desde sábado, 30 soldados da coligaçom e 160 civis iraquianos morrêrom em diferentes pontos do Sul do Iraque. O estopim da revolta foi o seqüestro, há mais de umha semana, de Mustada Yacoubi, um dos representantes do líder xiita Moqtada Sadr, por parte de tropas ocupantes.


Voltar à página principal

 

 

As milícias patrióticas iraquianas estám a dar ao mundo um exemplo de dignidade e resistência contra o imperialismo
Imagem de satélite da mesquita atacada por helicópteros norte-americanos, fazendo dúzias de mortes entre a populaçom civil