Tropas imperialistas da NATO envolvidas no tráfico e prostituiçom de mulheres e meninhas em Kosova

7 de Maio de 2004

Amnistia Internacional publicou um relatório em que denuncia o envolvimento das tropas da NATO ocupantes de Kosova no tráfico e prostituiçom forçada de mulheres e meninhas.

Trata-se de mulheres originárias da Moldávia, Roménia, Bulgária e Ucránia, que chegam a Kosova a caminho de Itália à procura de falsas promessas de trabalho. Essas mulheres som finalmente vendidas por quantidades que vam dos 50 aos 3.500 euros, caindo em redes de prostituiçom e tráfico de pessoas da Europa ocidental, de Itália, Países Baixos e Reino Unido.

Amnistia Internacional desvenda no seu relatório que numerosos polícias da UNMIK (Missom da Administraçom Provisória das Naçons Unidas em Kosova) e militares da KFOR (força militar multinacional sob comando da NATO) participam nessas actividades, aproveitando a imunidade geral face a Justiça no país, outorgada pola própria ONU. De facto, nengum membro das forças ocupantes foi julgado por enquanto, apesar da constáncia de estarem muitos deles envolvidos no tráfico e prostituiçom de mulheres e meninhas. Em concreto, entre 22 e 27 membros da KFOR fôrom já declarados suspeitos de envolvimento nesse tipo de actividades, sem qualquer conseqüência legal para eles.

A chegada das tropas de ocupaçom a Kosova em 1999 seguiu-se à guerra de agressom contra a Jugoslávia e provocou um incremento sem precedentes da chamada "indústria do sexo" e o tráfico de mulheres e meninhas. Calcula-se as tropas ocupantes chegárom a constituir 80% da clientela no negócio da prostituiçom. Embora tenha descrescido já para 20%, há que ter em conta que representam 2% da populaçom do país, o que dá ideia da dimensom do problema.

Vemos assim como as próprias ONU e NATO participam na violaçom de acordos internacionais sobre direitos fundamentais das mulheres e as crianças, muitos deles promovidos pola própria ONU, em concreto o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, a Convençom sobre a Eliminaçom de todas as Formas de Discriminaçom contra a Mulher e a Convençom sobre os Direitos da Criança.

Mas vemos sobretodo os efeitos da ocupaçom imperialista de países que dim ir libertar e reconstruir, após terem sido destruídos polo próprio imperialismo.

 

Voltar à página principal