O PP reivindica as suas raízes: o alcaide de Ourense nega-se a retirar a nomenclatura franquista das ruas da cidade

6 de Abril de 2004

Os generais golpistas e outras figuras do fascismo espanhol continuam a inçar as ruas, edifícios e espaços públicos da nossa naçom, graças à decidida política nesse sentido do Partido Popular, que reclama sem complexos a vigência do sistema que empoleirou ao poder a direita espanhola hoje representada por esse partido. Um exemplo claro é o Concelho de Ourense, onde o alcaide "popular", Manuel Cabeças, rejeita as moçons dos grupos da oposiçom municipal e mantém contra vento e maré ruas dedicadas ao "General Aranda", "Coronel Ceano", "Capitám Eloy", etc.

Deste jeito, os que enchem a boca com grandes palavras sobre "democracia", constitucionalismo e Estado de Direito, continuam a impor o legado histórico do golpismo fascista que tantas páginas negras encheu nos últimos séculos de história do Estado espanhol.

No cúmulo do descaramento, o vereador ourensano da Cultura polo PP, José Araújo, chegou a justificar a manutençom da sua particular homenagem ao fascismo espanhol como forma de evitar "a confusom que suporia e os trastornos que teria para vizinhos e comerciantes" substituir os nomes franquistas dos espaços públicos.

Lembremos que no caso de Ourense NÓS-UP tem desenvolvidas diversas iniciativas contra a manutençom dos símbolos e nomes fascistas, incluída a destruiçom de umha placa dedicada ao Capitám Eloy e o lançamento de tinta vermelha contra a águia imperial que preside o Paço da Justiça.

Igualmente, noutros pontos da Galiza, a esquerda independentista desenvolve nos últimos anos umha importante e efectiva actuaçom política tendente à supressom de simbologia fascista das ruas e prédios da Galiza. Infelizmente, nem sequer as forças da esquerda reformista e o nacionalismo institucionalizado mantenhem a devida firmeza em tam necessário labor, o que está a empecer umha mais rápida eliminaçom de semelhantes vestígios.

 

Voltar à página principal

 

 

Manuel Cabeças, alcaide de Ourense com maioria absoluta do PP, mantém a nomenclatura franquista nas ruas da cidade contra vento e maré