A Venezuela bolivariana alfabetizou 1.230.000 pessoas no último ano

3 de Maio de 2004

Um dos objectivos mais ambicionsos que enfrenta a revoluçom bolivariana que se desenvolve na Venezuela é a erradicaçom do analfabetismo, mal endémico no continente e que unicamente Cuba baniu em poucos anos numha epopeia que agora a revoluçom venezuelana quer emular.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, protagonizou o acto de graduaçom de mais de 100.000 pessoas alfabetizadas na chamada Missom Robinson, pedindo às pessoas graduadas para tomarem esse fito como o início do caminho em direcçom ao conhecimento. Chávez reconheceu no trabalho desenvolvido pola Comissom Nacional de Alfabetizaçom umha das páginas nunca vistas na América Latina.

Hugo Chávez, líder de um processo de emancipaçom do povo venezuelano que enfrenta o golpismo da burguesia vendida aos EUA, frisou que "profundizarmos a Revoluçom Bolivariana é a única maneira de que o povo se liberte da opressom".

Para fazermos ideia da dimensom do objectivo conseguido, devemos pensar que, antes do início do processo revolucionário, num ano eram alfabetizadas 20.000 pessoas na Venezuela; agora, em menos de um ano, fôrom arrancados à ignoráncia mais de um 1.230.000 seres humanos no grande país americano.

O líder venezuelano situou o fim da pobreza e o analfabetismo como objectivo estratégico da revoluçom bolivariana, por meio de transformaçons económicas e sociais palpáveis que fam com que as maiorias empobrecidas apoiem decididamente o processo revolucionário em curso frente à conspiraçom contrarrevolucionária pró-ianque.


Voltar à página principal