Um grupo de moços e moças independentistas fai pública umha carta "Ao cuidado da AMI e da militáncia juvenil do MLNG"

 

21 de Setembro de 2004

Polo seu interesse e transcendência para o desenvolvimento actual do nosso movimento, reproduzimos a seguir na íntegra o escrito remetido a diversos meios de comunicaçom por um grupo de jovens militantes da esquerda independentista galega, em relaçom com sucessivas solicitaçons de altas na organizaçom juvenil AMI e outras questons atinentes ao nosso movimento juvenil independentista:

"Ao cuidado da AMI e da militáncia juvenil do MLNG

As respostas que tenhem recebido no mês de Agosto de 2004 as solicitudes de filiaçom na Assembleia da Mocidade Independentista (AMI) de 14 militantes doutras organizaçons do MLNG como som NÓS-UP, AGIR e Primeira Linha som umha amostra da lamentável deriva sectária em que tem caído a que até a altura, acreditávamos, pretendia ser a organizaçom unitária da mocidade independentista.

As solicitudes cursadas em Compostela, Corunha, Ponte Vedra e Louro recebêrom no melhor dos casos evasivas por parte dos organismo comarcais ou nacionais da AMI (caso de Louro ou a Corunha), que até o momento nom tenhem dado resposta em firme às solicitudes cursadas durante a primeira metade do mês de Agosto; quando nom respostas em que se remarcava que se faria o possível para impedir que estas solicitudes de alta acabassem por ser aceites dando plenos direitos de militante às pessoas que o solicitavam, mas que estas poderiam aderir à AMI sob a fórmula d@s colaboradoras/es (caso de Compostela e Ponte Vedra).

As argumentaçons que se dérom na AC de Compostela e na reuniom entre representantes do Conselho Nacional (CN) e @s solicitantes de Ponte Vedra fôrom semelhantes, se nom na forma, muito mais hostil em Compostela, sim no fundo. Numha e outra localidade a experiência militante noutras organizaçons do MLNG das pessoas que solicitavam a alta, em lugar de ser considerado um aval de solvência, foi umha peja. Peja que se fazia derivar das diferenças entre a linha política das organizaçons de que procedemos @s solicitantes e a da AMI.

Assim, na AC de Compostela houvo que escuitar por boca de um destacado militante da AMI (que na altura fai parte da DN de NÓS-UP) que nom se ia permitir a entrada “dos liquidacionistas do movimento”. Entre o que ele considerava “liquidacionistas” achava-se o actual Responsável de Organizaçom de AGIR, que já era colaborador da AMI, situaçom na qual se achava desde finais de 2003 quando lhe foi retirada a sua condiçom de militante que mantinha desde o ano 1999.

Em todo o caso, a AC ofertou que as pessoas que solicitavam a alta passassem a ser colaboradoras/es da AMI durante um período, nom definido, em que deveriam provar o seu compromisso com a organizaçom e a identificaçom com a linha política da AMI. Tais condiçons fôrom contestadas no momento com a retirada das solicitudes e com a baixa solidária de umha militante da AC de Compostela.

Em Ponte Vedra, aonde se deslocárom para atender as cinco solicitudes de alta que se faziam nesta cidade, na qual nom existe assembleia comarcal da organizaçom juvenil, comunicárom aos/às solicitantes a sua escassa disposiçom para integrá-l@s na AMI argumentando que até a altura a experiência tinha demonstrado que “vós e nós trabalhávamos melhor por separado” como supostamente tinham demonstrado as experiências paralelas de AGIR e AMI. Perante essa surpreendente argumentaçom, um dos delegados da AMI revelou que actualmente a citada organizaçom de mocidade renunciara à sua vocaçom de massas, polo que se dotava de um mecanismo de selecçom de militantes (a já mencionada figura d@s colaboradoras/es), cousa que para ele nom tinha nada de particular já que noutra organizaçom como é Primeira Linha “também nom entrava quem quigesse, mas se selecciona a militáncia”.

Em todo o caso, os delegados do CN da AMI ofertárom a incorporaçom das pessoas que solicitárom a alta sob a figura de colaboradoras/es. Ante a pergunta de um dos solicitantes de se algum/ha representante desse grupo de apoio poderia assistir às reunions do CN da AMI (tal e como se fai na actualidade com outros grupos de apoio) o responsável pola organizaçom do CN da AMI respondeu de forma evasiva. Ao insistir na questom o solicitante, perguntado se tal situaçom aparecia recolhida nos estatutos da organizaçom, este mesmo membro do CN respondeu que “umha cousa é o que dim os estatutos, e outra como os interpreta a organizaçom”. Finalmente o encontro acabou com a constituiçom do grupo de apoio mas sem resolver exactamente qual era o enquadramento organizativo deste no aparelho nacional da AMI.

Posteriormente, após o contacto telefónico realizado com o CN da AMI por um dos jovens que solicitou entrada em Ponte Vedra, o representante da organizaçom juvenil manifestou que na reuniom do Conselho Nacional celebrada domingo 29 de Agosto a AMI decidiu adiar as solicitudes até a Assembleia Nacional que foi adiantada de Maio de 2005 para Novembro deste ano. Na conversa realizada a 2 de Setembro voltou a insistir-se em que as pessoas que solicitárom a alta na AMI podem ser colaboradoras, mas nom criar um grupo de apoio, nom podendo assim participar em nengum organismo, carecendo de qualquer tipo de direitos. Perguntado a quem se aplicava esta decisom, respondeu-se que exclusivamente à militáncia de Primeira Linha.

Entre finais de Agosto e inícios de Setembro as solicitudes de entrada cursadas na Corunha e Louro nom obtivérom mais resposta que um sepulcral silêncio. A direcçom da AMI nom atende telefonicamente a solicitude de contactos e comunicaçom solicitada polas pessoas de ambas localidades.

Do manifestado nestas reunions as pessoas que solicitámos a entrada na AMI em Compostela, Corunha, Ponte Vedra e Louro no mês de Agosto de 2004, todas nós militantes em activo em distintas organizaçons do MLNG como AGIR, NÓS-UP e/ou Primeira Linha, tiramos em conclusom:

1.- A presença na AMI de militáncia identificada com o que se dá em chamar a “linha maioritária” em NÓS-UP é considerada non grata por parte da corrente política do MLNG actualmente hegemónica na AMI. Prova disto é que se requeira de militantes experimentad@s noutras estruturas um período de quarentena em que teriam que provar a sua valia e identificaçom com umha linha política muito determinada ao estilo “do que fai Primeira Linha”. (O CN da AMI pareceu esquecer que Primeira Linha é umha estrutura partidária sem vocaçom unitarista que representa um determinado sector, o d@s comunistas, dentro do MLNG, mas que nas outras estruturas com vocaçom unitária, caso de AGIR e NÓS-UP, nom se requer período de prova algum.)

2.- A AMI tem abandonado a sua vocaçom unitária e de massas para se converter numha estrutura partidária irregular (cingida exclusivamente à mocidade) na qual é incontestável a hegemonia de umha determinada linha política: o exclusivismo patriótico interclassista.

Ante esta tessitura, nom queremos enganar ninguém, polo que manifestamos que se a AMI pretende impedir que nela se constitua um sector de militáncia identificado com a actual linha política hegemónica em NÓS-UP e AGIR, alicerçada nos parámetros estratégicos de independência, socialismo e antipatriarcado, nom deve permitir a nossa entrada, já que essa é umha das nossas intençons.

As pessoas que assinamos este documento lamentamos profundamente a deriva da AMI nestes últimos anos modulados pola experiência unitária em NÓS-UP, e já anteriormente nas Assembleias Populares Comarcais. Consideramos que esta organizaçom continua a desperdiçar imprudentemente a oportunidade de se converter (após a superaçom da situaçom anormal vivida pola esquerda independentista na segunda metade da década de 90) na organizaçom sectorial de mocidade de todo o MLNG insistindo em ser o reduto político de um determinado sector do nosso movimento. Sector que parece ter renunciado à legítima aspiraçom de criar um referente partidário próprio e aposta polo controlo absoluto de diferentes entidades às quais cobre sob um manto de pretendida “pureza independentista”.

As actividades e campanhas desenvolvidas pola AMI continuam a caracterizar-se pola insistência em temáticas que se afastam do que deveria ser o seu campo de actuaçom específico e pola sua insistência numha linha de “exclusivismo nacional interclassista” que nom conecta com a realidade objectiva da mocidade galega de começos do século XXI. Neste ano 2004 a AMI mesmo se tem permitido dar liçons publicamente a outra entidade do MLNG de como há que focar a participaçom nos processos eleitorais, ao tempo que reforçava nas suas campanhas e posicionamentos públicos umha linha ideológica que pom o acento unicamente no aspecto nacional como foi o caso da recente “campanha” polo galego nos centros de trabalho ou o discurso do 24 de Julho.

Do seu discurso público derivamos que a AMI, na actualidade, se dirige em exclusiva a umha mocidade maioritariamente galegófona, ligada ao mundo rural e afectada em primeira pessoa polo processo de desestruturaçom do campo galego; em definitivo, a umha mocidade galega que nom existe ou é umha minoria num sector social que na Galiza é predominantemente urbano (nom só em relaçom às grandes cidades galegas mas também às vilas cabeça de comarca que crescêrom a medida que as aldeias perdiam populaçom) e no qual o conflito lingüístico já nom pode focar-se empregando o esquema da diglossia porque o espanhol é já o idioma único da maioria das moças e moços. A AMI insiste numha linha política que começou a perder validez há mais de 20 anos.

As afirmaçons de referencialidade histórica, que tradicionalmente acompanhárom o andamento da AMI, nom bastam para legitimar umha actuaçom política que ao nosso parecer resulta errada, e nom estamos dispost@s a dar por bom um status quo polo simples facto de que qualquer corrente política considere o trabalho juvenil do MLNG como a sua leira particular.

Entendemos que é imprescindível para o sucesso do MLNG contar com umha política correcta no sector da mocidade enquanto na actualidade está a correr-se um risco imediato de desgaleguizaçom. Umha política que se deve alicerçar no conhecimento profundo da realidade em que vivem as moças e moços do nosso país, de quais som as suas ambiçons imediatas e as suas necessidades objectivas, já que este é o único meio para achegar este sector aos nossos parámetros políticos. Umha política que se deve caracterizar por umha radicalidade absoluta no nacional, mas também no social e de género.

O MLNG deve contar com umha organizaçom sectorial que se adapte à mocidade galega que existe na actualidade sem cair em idealismos, mas também nom no oportunismo. Umha organizaçom de mocidade que deve ter como bandeiras ideológicas o independentismo, a esquerda anticapitalista e o feminismo, e que desde esses parámetros fale de precariedade laboral, acesso à vivenda e de recuperaçom da língua, mas que ainda pule polo potenciamento do associacionismo de base, e centre também as suas campanhas e actividades na demanda de umha sexualidade livre e nom patriarcal, na focagem de umha política referente às drogas de umha perspectiva antiproibicionista, na solidariedade internacionalista, no potencionamento de umha atitude face o ócio e a cultura de carácter emancipador e nom alienante, ou no antimilitarismo e o ecologismo.

Em resumo, a nossa solicitude de alta na AMI nom responde à nossa identificaçom com a actual linha política desta organizaçom, mas a valorizaçom que fazíamos desta como referente unitário da esquerda independentista no trabalho juvenil.

Pola nossa parte consideramos imprescindível para o correcto desenvolvimento do MLNG a existência de expressons sectoriais que estejam abertas à pluralidade de correntes e sectores de opiniom existentes no conjunto do movimento, sem menosprezo do dereito destas correntes e sectores a organizar-se da forma que melhor se adapte às suas características e necessidades.

Juntamente entendemos que na actualidade a esquerda independentista galega se acha numha situaçom de divisom que também tem o seu reflexo no movimento juvenil. O nascimento da organizaçom de mocidade Adiante-MIR tem colocado na ordem do dia a necessidade de umha tomada de contacto entre as duas grandes correntes da esquerda independentista galega também no ámbito da mocidade, ao igual que já se está a dar num nível político mais geral, para o qual, agora mais que nunca, há que desterrar de princípio todo sectarismo da nossa atitude.

@s militantes da esquerda independentista que assinamos este documento concluímos entom que se a AMI renuncia a ser esse referente unitário será preciso criá-lo.

Galiza, Setembro de 2004

Assinado:

Diego Bernal Rico, Rute Cortiço Franco, Sarai Fernandes Marquês, Íria Leis Figueroa, Ugio Formoso Lopes, Vreixo Formoso Lopes, Berta Lopes Permui, Daniel Lourenço Mirom, Antia Marinho Ribadulha, Afonso Mendes Souto, Manuel J. Outeiro Rodrigues, Sérgio Pinheiro Pena, Alexandre Rios Bergantinhos, Ángelo Rodrigues Meraio, Maria Sanches Garcia.

Voltar à página principal