Golpe de estádio em Portugal

29 de Julho de 2004

Golpe de estádio

César Príncipe

Procuram-se três evadidos das responsabilidades nacionais e locais. O alarme é do conjunto da Esquerda e de alguma Direita com independência opinativa. Os foragidos dam polos nomes e apelidos de Durão Barroso, Santana Lopes e Jorge Sampaio. Escapárom-se, de acordo com os autos de denúncia, dos encargos oficiais: o primeiro, explicitamente derrotado nas Eleiçons Europeias, aproveitou umha janela semi-aberta no edifício em construçom da UE e refugiou-se nos aposentos da Presidência, deixando António Vitorino especado à porta, com ar de descartado, à espera do carro-vassoura da UE ou do PS; o segundo, eleito por Lisboa para presidente da Cámara, sob o lema de Amar Lisboa e jurando manter-se fiel ao contrato nupcial, desapareceu de casa da amada, transferindo o enxoval para outro aconchego; o terceiro, apavorado com a iminência de um ménage à trois, entre ao alaridos e os murmúrios do poder e da oposiçom, sempre cerimonioso, agenciou cobertura aos transviados do Governo e da Municipalidade.

Este folhetim de alcova e abandono do lar desencadeia-se durante e após a epopeia do Euro e depois do presidente de todos os portugueses haver proclamado o Futebol como desígnio nacional. Todo sucede com as bandeiras nacionais a tremular nas varandas e janelas, nas antenas dos automóveis e nas antenas hertzianas, nos diversos estendais do Espírito Nacional, entrando no jubileu as máscaras bicolores e a lingerie da Nova Mocidade Portuguesa Feminina, que, excitadíssima com o nariz do Figo e o peito do Ronaldo se enfaixou com as cores da Filosofia Portuguesa contra os canhons. A crise institucional (governamental, municipal e presidencial) ocorre, de facto, com os portugueses e as portuguesas ainda nom refeitos da decepçom do Euro e das nostalgias de um Portugal com Força. O Povo, a Burguesia e até o Clero fôrom, pois, chamados à liça polos clarins da continuidade do Governo e da dissoluçom da Assembleia da República. No lento despertar do Esplendor na Relva, fomos, de imediato, remobilizados polos pendons da última campanha-nom os arreando, em face do Segundo Euro, o da Finalíssima Barroso/Santana/Sampaio. Mesmo que os sudários da Pátria descorem ou se esfiapem cumpre-nos manter o pau erguido. Nesta hora perplexa, cuidemos do estado do pau e do pau do Estado. Eis a doutrina dos bandeirantes da Eurolándia ou da Portugalidade doméstica.

Em boa verdade, um pau de bandeira luso e aprumado pode muito bem superar o valor prático e simbólico de um pano de fabrico chinês. A bandeira empolgou os portugueses mas nom desmoralizou os gregos. Qualquer economista de escol, liberal e pragmático, já terá concluído que melhor fora para Portugal que nom tivéssemos eliminado a Espanha e a Inglaterra: se os espanhóis e os ingleses fossem obrigados a chegar à final demorariam-se polas esplanadas e por outros recintos, largando euros para a retoma. Mas com a obsessom do desígnio nacional, com a estratégia de lavar as dívidas dos estádios com banhos de multidom e de anestesiar os quebrantos da economia com espasmos patrióticos-desperdiçou-se um timing da psicologia de massas para desfechar um pontapé na crise. Com um pouco menos de êxtase milagroso nos pés e um pouco mais de realismo na cabeça, teríamos ganho em perder. Em perder mais cedo.

A NOVA TROIKA

Eis-nos, por conseqüência, crivados de dívidas e de mágoas, privados do Euro e sem primeiro-ministro eleito, este arrebatado no fragor e no fervor dos lances que mobilizavam, distraíam e traíam os portugueses e as portuguesas como já nom se via desde Afonso Henriques, o Decepado, a Padeira de Aljubarrota. Ninguém nos garante que Durão Barroso, surpreendendo Portugal cativo da grama e dos écrans, nom resolveu dar o salto para Bruxelas, abrigando-se de próximas eleiçons e do crescendo dos apupos populares. E para nom vir a ser acusado de menosprezo das clientelas, diligenciou assegurar a sucessom, abrindo espaço para mais um fugitivo e instando o presidente de todos os portugueses a patrocinar a dupla evasom. Neste processo dinástico-rocambolesco, entre golpes de estádio e golpes de estado, revelárom-se três performances: Durão é um caso de fuga para a frente; Santana é um caso de fuga para o lado; Sampaio é um caso de fuga para trás. Estamos, pois, segundo a generalidade da Esquerda e a especialidade da Direita, confrontados com umha Nova Troika, envolvendo dous transgressores (violárom o pacto com o seu eleitorado e com a soberania republicana) e um tránsfuga (que se deixou, mais umha vez, aliciar polo campo adverso. Teme-se, portanto, um ciclo antropológico protagonizado polo Homo Fashion e polo Homo Funchalensis.

Ainda seria academicamente tolerável que o presidente da República, num lato conceito das faculdades constitucionais e da leitura dos indicadores políticos, houvesse convocado Santana Lopes em privado ou no ámbito da peregrinaçom a Belém e lhe ditasse umha minuta para o candidato levar ao seio da Coligaçom. Tal minuta estipularia que os signatários se esforçariam por formar um Governo de Crise, destinado a atender ao drama de mais de dous milhons de portugueses situados nos limiares da pobreza, a mais de duzentos mil portugueses condenados a fome diária, a cerca de quinhentos mil desempregados. Eis umha exemplaridade para umha séria problematizaçom dos desígnios nacionais. Mas o presidente da República fijo precisamente o contrário: exigiu ao candidato a chefe do Governo que prosseguisse a política de Durão com os desfavorecidos e de Molengão com os favorecidos. E agora? Quem sairá beneficiado ou rebeneficiado desta dança de cadeiras e deste manobrismo cortês?

Durão Barroso, ex-chefe do Governo, distanciou-se de um quadro governamental com umha maioria aritmética a funcionar desligada da opiniom pública e solucionou o seu problema, tentando acobertar-se com o interesse nacional e o prestígio do convite, mas embarcando na fuga de cérebros, no clima do Euro, que proporcionou várias transacçons de heróis da bola; Santana Lopes, chefe do Município, saltou do Poder Local para o Poder Central, contornando o Congresso partidário e a consulta nacional, logrando um jack-pot sem ter inaugurado o patético Casino do Parque Mayer, solucionando o seu problema de eterno derrotado nos Congressos; Jorge Sampaio desbaratou um brinde-pretexto do chefe de umha maioria eleitoralmente desqualificada, nom interrompendo umha governaçom que desespera os trabalhadores e nom dá esperança aos empresários. O presidente, que alguns declarárom na posse da bomba atómica e que outros reduzírom a umha boca de fogo de baixa intensidade, nom ousou travar ou moderar um Governo ao serviço de meia dúzia de banqueiros e empreiteiros, que se tornárom os mais determinantes órgaos de soberania e a fonte programática do Executivo e nem agora ousou dizer: Alto, Aí! . Jorge Sampaio terá, para a Esquerda em geral e para a Direita menos orgánica e mais humanizada, cometido um erro de gestom e de casting, fosse por pánico (Mário Soares dixit), fosse polo deslize para as comodidades da pré-reforma. As promessas de pôr o Governo de Santana sob medidas de coacçom, quase com obrigatoriedade de se apresentar na esquadra mais próxima todas as semanas como qualquer argüido mediático, o mal maior estará consumado e Sampaio terá-se comprometido como património de consenso democrático e referencial de resistência. Sampaio acabou por integrar o rol de fugitivos da responsabilidade, expondo-se como encenador do trespasse de poder, fazendo umha consulta a alguns sábios do regime (que, no fundo, nom valorizou) mas recusando consultar o povo, onde repousa a legitimidade incontroversa. De pouco vale colocar umha pulseira electrónica aos membros do Executivo.

As populaçons é que terám de permanecer vigilantes e actuantes, pois a acçom do presidente mostrou os seus limites e a sua andropausa conservadora. A condecoraçom de Carlucci foi apenas um dos sinais de um presidente em derrapagem situacionista, que nom preza nem sopesa suficientemente as memórias de Abril e as lealdades do seu corpo eleitoral. Jorge Sampaio tornou-se um adaptacionista, disposto a engolir sapos ou a chamar nenúfares aos sapos que algumhas entidades lhe ponham na mesa. A sua metodologia reactiva tem sido propensa ao convívio com os privilegiados e a inconter lágrimas com as peripécias futebolísticas. Entretanto, é preciso chorar e muito polos deserdados da nossa terra e do planeta. Neste passo da nossa história, a democracia personalista e burocrática sobrepujo-se ao escrutínio directo e universal. E o Governo em gestaçom vai ser tentado, nom apenas a cavar mais o drama dos excluídos, mas a demonstrar que tem umha ideia para Portugal. Neste sentido, nom espantará que, entre as iniciativas de ponta, o Governo PPD/PSD/CDS/JSampaio esqueça o dia a dia de milhons de cidadaos, na senda do Governo PSD/CDS, investindo na transformaçom e modernizaçom do Portugal Night e do Portugal in. De maneira que o povo, amortecido o sonho do Euro, voltará a ser bombardeado polas tubas das Grandes Causas, com umha aposta na Condiçom Feminina. Nom sejamos, desde já, injustos para com o Governo deste Verao Quente. Porventura algum assessor de multinacionais há de refrear a impulsividade de nascença, recomendando racionalidade a quem arranca sem apoio popular e com um presidente de sentinela, que poderá ser obrigado a mostrar mesmo que intervém in nomine de um desígnio nacional. Aceitemos algumha estilística anarco-cativante. E que tal a restauraçom do Concurso da Mulher Ideal Portuguesa (nas modalidades Tia de Cascais, Virgem das Docas, Miss Silicone, Eva da Província, Filha da Diáspora)?

ALTERNATIVA DEMOCRÁTICA

Na tentativa de poupar o país a umha crispaçom prolongada, adiantaremos três medidas singulares e cautelares, que talvez pacifiquem eleitores e eleitos, cidadaos e agentes do sistema:

1. Durão Barroso deverá ser amarrado a um compromisso que o prenda a Bruxelas ou Washington durante 30 anos ou deverá ser enviado com José Lamego em comissom de serviço para Bagdad para fundar o MRPP iraquiano, visto que se impom radicalizar alguns segmentos estudantis e obreiros e promover arruaças contra os adeptos de Saddam e os opositores da ocupaçom, vociferando contra baasistas, binladenistas, independentistas e imperialistas e educando os esfameados autóctones e os mercenários estrangeiros com as Citaçons de Durão;

2. Santana Lopes deverá ser apeado de Som Bento, através de contestaçom em sedes electivas e por meio de protestos sociais, usando-se, contodo, de benevolência humanitária, nomeando-o para presidir à Alta Autoridade para os Jogos de Fortuna e Azar e para Inspector-Geral dos Bons Costumes;

3. Jorge Sampaio deverá resignar a Belém, forçando eleiçons antecipadas na Cámara de Lisboa, propondo-se preencher o vazio deixado polo charme do maire em fuga. Com tal prova de coerência e de humildade, Sampaio atenuará os remorsos da Grande Evasom, retocando a imagem, empenhando-se na reabilitaçom do casco arquitectónico alfacinha e divisando (finalmente) a luz no fundo do Túnel do Marquês.
Se os fados nom propiciarem este desfecho-só restará às entidades competentes reeditar o Euro para andarmos embalados e só nos moveremos para reafinar o Hino Nacional, repovoar os estádios, esgotar a cerveja, esfaquear dous ingleses e três espanhóis. Na contingência, nom faltarám agitadores, alguns clamando de Escola em Escola, de Fábrica em Fábrica, de Bairro em Bairro, do Minho aos Algarves, dos Açores à Madeira:

Se encontrares, em qualquer parte, alguém parecido com um presidente da República, nom confundas a imagem. É membro do Governo. Reage e age em conformidade: se for na Rua, evita cruzar-te com o ex-Supremo Magistrado da Naçom, também sendo de assobiar Fora o Árbitro ou mandá-lo para a Torre do Tombo ou para Canas de Senhorim; se for na Televisom, muda rapidamente de canal, nem que seja para levares com o peeling da Lili (é só um instante); se for na Rádio, muda rapidamente de estaçom, nem que seja para a IURD (é só um instante); se for na Imprensa escrita, muda rapidamente de página, nem que entornes o café ou tenhas de enfrentar a light eratura de Margarida Rebelo Pinto.

Os líderes do levantamento revolucionário nom terám pejo em verberar um Governo de Salvaçom Pessoal, de alguns empresários europtimistas e de alguns experts da democracia controlada, megafonando que o Governo da Coligaçom PPD/PSD/CDS/JSampaio resultou de um cozinhado à moda de Belém, um prato forte de carne barrosá e couve-de-Bruxelas, com o repasto aliviado e abrilhantado por violinos de Chopin. Assim, o ágape da Nova Troika introduziria, na Mesa do Orçamento, um produto etnográfico, umha incorporaçom cosmopolita e umha nota sensível, como seria de esperar de um ex-presidente de todos os portugueses, melómano confesso.

Desde o dia 9 do corrente, polo crepúsculo, que, para os que votárom em Jorge Sampaio e para os que desejavam votar para um Novo Governo, o ex-garante do regular funcionamento das instituiçons democráticas, depois de felicitar um fugitivo, trespassou o cargo vacante para outro fugitivo, chancelando umha intentona a assinalar nas efemérides como Golpe de Estádio, tendo em conta o seu enquadramento e o seu carácter paisano, além da urdidura e do suspense da Sociedade do Espectáculo, inscrita na genética do Novo Governo da Naçom. De resto, os processos sediciosos parecem ter trocado de papéis: nos torneios futebolísticos, empregárom-se as mais severas e sofisticadas medidas de segurança (implicando mesmo a NATO e os AWACS), enquanto que, no terreno político, apenas se recorreu a jogos de salom e a redes telefónicas, utilizando a algazarra do Euro como chapéu de retiradas e de actos de posse.

Já quanto a ter recaído sobre Durão Barroso o privilégio da sétima escolha entre grandes e pequenos, candidatos do Eixo Franco-Alemám e do Eixo Anglo-Americano, evoca-se um episódio da I República: tinha o general Gomes da Costa, ajaezado no seu cavalo branco, derrubado, em 1926, o regime de 1910 e foi mister formar Governo. Quando os mentores do golpe se interrogárom sobre quem figuraria como ministro dos Negócios Estrangeiros, o general nom hesitou em traçar um retrato-robot: teria de ser um golpista ou simpatizante do Movimento, polo menos com a patente de coronel, ser conhecido por se apresentar irrepreensivelmente (isto é, com as botas engraxadas) e saber falar francês. Decorridos 78 anos, parece que o recrutamento apenas é condicionado por mais um requisito: saber falar inglês.

Portugal continua a ser dos Pequenitos.

César Príncipe é escritor e jornalista

Artigo tirado de resistir.info

 

Voltar à página principal

 

 

Durão Barroso (ex-primeiro ministro) e Santana Lopes (novo primeiro ministro), líderes da direita portuguesa e promotores do golpe de estádio