Loyola de Palacio deseja morte de Fidel Castro

26 de Outubro de 2004

A Vicepresidenta da Comissom Europeia e Comisária dos Transportes e Energia da UE realizou umhas declaraçons públicas garantindo ser favorável à morte do Presidente cubano Fidel Castro. A membro numerária da seita católica Opus Dei e futura presidenta do Conselho Nacional de Política Exterior do PP afirmou sem o menor recato que a "democratizaçom" de Cuba passa pola morte do líder revolucionário cubano.

Com estas declaraçons, sem lugar a ambigüidades, a extrema-direita espanhola do PP mantém aberto o seu apoio ao terrorismo internacional praticado contra a Revoluçom Cubana polo imperialismo desde que a 1 de Dezembro de 1959 o Movimento 26 de Julho derrubou a ditadura de Fulgencio Batista e começou a construçom do socialismo em Cuba.

Estas declaraçons, assim como outras realizadas polo italiano Rocco Buttiglione, -com linha directa com o Vaticano e comissário in pectore da Justiça e Interior-, contra a homossexualidade e os direitos das mulheres, exprimem sem a mais mínima dúvida que modelo de Europa se está a fraguar nos gabinetes de Bruxelas e a ausência da mais elementar cultura democrática entre @s responsáveis da Europa dos 27.


Voltar à página principal