Dezenas de milhares em defesa do emprego em Ferrol

26 de Setembro de 2004

Ferrol viveu hoje umha jornada de mobilizaçom massiva contra os planos privatizadores do Governo espanhol e em defesa dos postos de trabalho no sector naval público na comarca de Trasancos.

Tal como se previa, mercé à posiçom entreguista das cúpulas sindicais, a manifestaçom foi apoiada por todos os partidos e forças do sistema, incluída a Igreja católica e o Partido Popular, que enviou dous conselheiros do Governo autonómico e o próprio presidente da Cámara de Ferrol. Lembremos que o discurso dos políticos e líderes sindicais insistírom nos últimos dias na ideia de que esta era umha manifestaçom "sem exclusons", admitindo a participaçom de representantes dos partidos directamente implicados na destruiçom de empregos na comarca já desde os anos 80 e agora nesta ofensiva final contra os estaleiros galegos. Nom só desde a Junta, o PP ou o PSOE se repetiu a mesma ladainha. O próprio presidente da Cámara de Fene, do BNG, declarava hoje mesmo num jornal que na manifestaçom de hoje "nom sobra ninguém".

Essa circunstáncia, bem como os discursos pactistas e apaziguadores dos representantes sindicais no fim da mobilizaçom, obtivérom resposta de sectores de trabalhadores/as, nomeadamente o representado pola esquerda independentista, que centrou a sua intervençom na denúncia do papel dos Comités de empresa e da presença de partidos como o PP e o PSOE.

A marcha percorreu a partir do meio-dia numerosas ruas da cidade de Ferrol. Dezenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras participárom, incluído um numeroso grupo de independentistas agrupad@s atrás das faixas de NÓS-Unidade Popular e AGIR. Grande número de folhetos agitativos fôrom repartidos, enquanto manifestantes exibiam cartazes assinados por NÓS-UP denúnciando a "venda" dos estaleiros IZAR por parte do PSOE, PP e principais sindicatos espanhóis. "A culpa de quem é?, dos que estám no Comité!" foi umha das palavras de ordem coreadas, junto à clássica "PSOE, PP, a mesma merda é", cheia de razom ante o similar papel que ambos partidos espanhóis tenhem jogado e jogam ainda nas sucessivas crises na comarca de Trasancos. Também a UE foi atacada como inimiga dos interesses do Povo Trabalhador Galego. Berrou-se insistentemente que "a luita é o único caminho".

Para além da presença organizada e activa da esquerda independentista, incluída a militáncia do nosso Partido, outr@s trabalhadores exibiam também cartazes de mao denunciando a admissom de elementos do PP numha marcha operária como essa. "Palmou fora" e "PP culpado" eram algumhas legendas presentes.

À chegada à praça do Concelho, a maior parte dos representantes políticos envolvidos na liquidaçom do naval galego desaparecêrom "prudentemente" polas traseiras da sede municipal, nos seus carros oficiais. Nom assim o vice-presidente da Cámara de Ferrol, Juan Fernández, líder da direitista e localista Independientes por Ferrol, que pretendeu fazer frente ao descontentamento expressado por trabalhadores ante a sua permanência no alto das escadas da Cámara municipal.

Umha chuvada de ovos caiu sobre o ex-conselheiro da Indústria com o PP, que já em ocasions anteriores protagonizou provocaçons a trabalhadores/as, além de se significar polas condiçons de exploraçom que impom nas empresas que possui na comarca trasanquesa e os contínuos conflitos com o pessoal empregado. Escoltas, polícias à paisana e municipais retirárom como pudérom o líder municipal, que co-governa com o PP em Ferrol, para o interior da Cámara municipal, ante a crescente ira de sectores de manifestantes.

Representantes de Izquierda Unida apressárom já a marcar distáncias com a iniciativa operária, sem sequer referir as provocaçons prévias do representante de IF, ou a provocaçom inicial que supom "convidar" os líderes da direita, promotores das piores agressons aos direitos laborais, a se manifestarem junto aos sectores mais castigados por essas agressons.

NÓS-UP anunciou já no seu web nacional a firme determinaçom independentista de apoiar a luita pola conservaçom dos postos de trabalho no sector e contra o confusionismo promovido polas direcçons sindicais e as "procissons dos caladinhos" a que querem reduzir as respostas operárias.

 

:: Informaçons anteriores sobre o mesmo tema

- NÓS-UP anuncia que participará na mobilizaçom de domingo em Ferrol, denunciando o colaboracionismo entre as direcçons sindicais, PP e PSOE (+...)

- AGIR adere à manifestaçom em defesa da construçom naval pública (+...)

- Mobilizaçons operárias no Condado e Trasancos (+...)

- PP, PSOE, IF, BNG e IU condenam conjuntamente a reacçom d@s operári@s de IZAR frente à provocaçom de Juan Fernández (+...)

- O tenente de alcaide de Ferrol paga a sua prepotência ante trabalhadoras/es de IZAR (+...)

 

Voltar à página principal

 

 

A presença de elementos da direita espanhola como Juan Juncal (presidente da Cámara de Ferrol), Jesus Palmou (conselheiro da Justiça) e Juan Fernandez (líder de IF e vice-presidente da Cámara ferrolana) foi sentida como umha provocaçom por sectores manifestantes
Juan Fernández tivo que ser retirado por escoltas e protegido no interior da sede municipal, ante o incessante lançamento de ovos, muitos dos quais atingírom o objectivo
Nom é a primeira vez que Juan Fernández exerce de provocador de obreir@s, nem a primeira vez que sai escaldado pola ira popular
Faixa de NÓS-Unidade Popular na manifestaçom de hoje
Militantes independentistas denunciárom a "venda" de IZAR por parte dos partidos e sindicatos maioritários espanhóis