Polícia espanhola celebra ocupaçom da nossa capital

30 de Setembro de 2004

A sempre abafante presença policial espanhola na capital da Galiza tornou insuportável durante este "ano jacobeu", com helicópteros a sobrevoar os céus e fardados a incomodar continuamente as pessoas, com a sua permanente e intimidante presença nas ruas de Compostela. Controlos de estrada, registos arbitrários, abusos de autoridade, episódios de violência e detençons com critérios políticos acompanhárom a realidade quotidiana nestes meses, entre louvores do Governo municipal e os grandes partidos institucionais, e elogios dos meios de comunicaçom a soldo do sistema.

E quando começa o último trimestre do ano, as forças policiais espanholas convertem a sua presença em Compostela em exibiçom de meios e propaganda ideológica com a celebraçom da chamada "Festa da Polícia". Presidida polo ministro espanhol do Interior, José Antonio Alonso, e polo director geral da Polícia, Víctor García Hidalgo, ontem foi inaugurada umha festa ressessa e rançosa que começou com a assistência de mandos políticos e policiais à "missa do peregrino", com umha invocaçom ao apóstolo por parte de membros do corpo repressivo. Mais um exemplo, sem dúvida, de aquilo que os "constitucionalistas" espanhóis entendem por "Estado aconfissional", tal como a sua Constituiçom estabelece.

A iniciativa de acolher essa festa de exaltaçom policial foi do próprio Governo municipal compostelano, formado pola coligaçom entre PSOE e BNG, segundo reconheceu o presidente da Cámara, Sánchez Bugalho. De facto, Bugalho, ex-militante do Movimento Comunista da Galiza (MCG) convidou num bando municipal todos os cidadaos compostelanos a participarem na "festa dos Anjos Custódios" e "a exprimirem o seu afecto e carinho aos agentes" (sic). Na opiniom do converso presidente da Cámara de Compostela, a nossa capital "tem a honra e a satisfaçom" de acolher os actos que comemoram o "Dia da Polícia [espanhola]".

O batoteiro discurso de Bugalho interpretou também o labor policial como sendo "proteger o livre exercício dos direitos e liberdades, e garantir a segurança cidadá''. As suas palavras, porém, devem ser interpretadas no contexto de um labor de governo marcado polo contínuo atropelamento de direitos civis básicos como o de expressom e reuniom, com contínuas agressons a vizinhas e vizinhos por se manifestarem e distribuirem propaganda política, com a demoliçom de centros sociais autogeridos, e com a repressom do trabalho sindical. Nom há dúvida da grande ajuda que a polícia espanhola, além da própria polícia municipal, supujo nessa estratégia desenvolvida polo PSOE em Compostela, com a inestimável colaboraçom d@s "sóci@s" de governo do BNG.

A simbologia espanhola, a exibiçom de armas e animais de presa, além da proliferaçom de uniformes azuis e a apologia da violência institucional dam corpo a esta festa da polícia espanhola imposta na nossa capital. Entretanto, ontem mesmo soubemos do penúltimo caso de corrupçom policial em Monforte de Lemos, onde um agente da Polícia espanhola é acusado de suborno, abuso de autoridade, ameaças, narcotráfico, coacçons e delitos relacionados com a prostituiçom. A trajectória do elemento foi denunciada por umha monfortina que vinha padecendo a acossa policial por parte do agente Emilio Illanes Mondelo. Alguns meios de comunicaçom confirmárom a falta de colaboraçom do comissário da mesma esquadra na hora de informar sobre tam graves acusaçons como pairam sobre um membro desse corpo policial em Monforte. Provavelmente o mando policial se encontrasse atarefado colaborando nos preparativos da "Festa dos Anjos Custódios"...

 

Voltar à página principal

 

 

Sanchez Bugalho (PSOE) e Néstor Rego (BNG), de "agitadores de massas" na Transiçom a "políticos responsáveis" num governo "para todos" (ou seja, para os de sempre), à frente do Governo municipal compostelano
A simbologia espanhola, a exibiçom de armas e animais de presa, além da proliferaçom de uniformes azuis e a apologia da violência institucional dam corpo à "Festa da Polícia"
Durante este Ano Jacobeu, a presença da Polícia Espanhola nas ruas de Compostela atingiu as maiores quotas de sempre