Vitórias eleitorais das esquerdas no Uruguai e a Venezuela, queda da coligaçom governante no Brasil

2 Novembro de 2004

Nos últimos dias realizárom-se eleiçons em diversos países do cone sul americano. Domingo, na Venezuela, o movimento revolucionário bolivariano fortaleceu as suas posiçons de poder ao banir a oposiçom contrarrevolucionária da maior parte dos estados em que mantinha o controlo dos governos regionais, incluída a capital, Caracas, o que dará ao Governo bolivariano o controlo da Polícia Metropolitana, até agora braço armado da oposiçom burguesa. Ratificou-se assim a vitória do referendo de 15 de Agosto, se bem nesta ocasiom houvo umha importante percentagem abstencionista.

No Uruguai, pola primeira vez na história, rompeu a alternáncia entre os partidos chamados "Blanco" e "Colorado" acedendo ao Governo nacional o Encontro Progressista-Frente Ampla-Nova Maioria (EP-FA-NM), coligaçom que inclui grande número de formaçons que vam do ex-guerrilheiro MLN-Tupamaros ao Partido Democrata Cristao, passando polo Partido Comunista e o Partido Socialista.

Resta verificar em que se concretiza esta ruptura de 174 anos de domínio da direita no Uruguai, quer dizer, desde a sua independência, trinta e três anos depois da fundaçom da Frente Ampla, em 1971. Para já, é previsível umha posiçom de maior autonomia frente ao domínio do imperialismo norte-americano. Porém, derivas pró-imperialistas e anti-populares como a do Governo "progressista" do Equador ou as políticas reformistas de integraçom burguesa do PT brasileiro obrigam a se manter de pé atrás ante umha coligaçom que já mostrou a sua recusa a medidas "drásticas" num país extremamente empobrecido, com um desemprego nom inferior aos 40%.

No Brasil, as eleiçons locais desenhárom um estagnamento das forças da esquerda reformista governante, face ao fortalecimento do PSDB, do ex-presidente F. H. Cardoso, como principal partido opositor da direita. Contodo, o PT mantém-se como primeira força, com mais de 23 milhons de votos, face aos 22 milhons do PSDB. O PCdoB, ala esquerda da frente popular governante no Brasil, fica com 889.065, enquanto a principal força opositora da esquerda, o trotsquista PSTU, atinge apenas os 183.562 votos. O partido do ex-presidente F. H. Cardoso governará a maior cidade do país, São Paulo, principal centro comercial, industrial e financeiro. O PPS, cisom do PCB, derrotou o PT na capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, histórico feudo do partido de Lula, que finalmente ganhou apenas em nove das 26 capitais dos estados brasileiros.

Semelha confirmar-se um certo desencanto popular face às incumpridas promessas de mudança real do sistema por parte do PT, num país, lembremos, com 175 milhons de habitantes, que é a décima potência industrial do mundo e o quinto país do Planeta em extensom. Além disso, tem 32 milhons de habitantes em condiçons de extrema pobreza e calcula-se nuns oito milhons as crianças que vivem na rua.

 

Voltar à página principal

 

 

José Genoíno, presidente do PT brasileiro
Anagrama da Frente Ampla uruguaia
Mobilizaçom popular bolivariana na Venezuela