Relatório sindical mostra precariedade laboral no sector da lousa em Valdeorras

19 de Agosto de 2004

O relatório parte do estudo de vinte empresas do sector na comarca de Valdeorras, e afirma que mais de 600 trabalhadores e trabalhadoras fam jornadas laborais superiores às oito horas, obrigando todas as empresas a trabalhar também aos sábados.

O documento, elaborado por CCOO, denuncia os atrasos no pagamento de salários, alertando também contra a falta de medidas de segurança frente aos riscos de derrocadas e quedas de veículos. Metade das empresas estudadas carecem de equipamentos de segurança elementar como capacetes ou sistemas de amortecimento de ruídos.

Também nom há qualquer formaçom específica para o pessoal que maneja maquinaria de risco nas naves e canteiras, nem se realizam as preceptivas revisons periódicas do material rolante e das máquinas. Esta falta de revisons afecta a 75% das empresas estudadas.

Finalmente, o relatório de CCOO fala de carências em matéria de higiene, quanto a extracçom do pó, ausência de aquecimento e ar condicionado nas instalaçons, ou mesmo de água quente nos duches (quando eles existem, que nem sempre).

A "Asociación Gallega de Pizarristas" negou as acusaçons do relatório, por mais que a realidade dos acidentes laborais no sector confirme os dados feitos públicos polo estudo sindical. Resta saber é se a Direcçom Geral da Indústria, Energia e Minas da Junta da Galiza vai tomar medidas ou, mais umha vez, fará ouvidos moucos em favor dos interesses patronais.

 

Voltar à página principal