Imperialismo provocou já mais de 100.000 vítimas civis no Iraque

29 de Outubro de 2004

E estamos a falar só da guerra principiada em Março de 2003, ficando à margem portanto os milhares de mortes provocados na década anterior polas agressons de todo o tipo protagonizadas polo imperialismo norte-americano contra o povo iraquiano.

Agora, um estudo da revista médica británcia The Lancet fixa num mínimo de 100.000 as mortes de civis iraquian@s que terám morrido desde o início da invasom anglo-norte-americana do Iraque, há um ano e meio.

Além disso, pesquisadores da Escola de Saúde Pública Bloomberg do hospital John Hopkins, de Baltimore, nos Estados Unidos, comparárom a mortalidade durante os 14,6 meses anteriores à ocupação com a dos 17,8 meses seguintes.

Em conjunto, segundo eles, o risco de morte violenta era 58 vezes maior após a invasom. O doutor Roberts antecipou uma "estimativa prudente de cem mil mortes ou até mais, ocorridas desde a ocupaçom do Iraque, em 2003".

Os novos dados, baseados em pesquisas feitas no Iraque, som muito maiores que as estimativas anteriores, baseadas em fontes mediáticas ou de institutos locais de pesquisa, que apontavam 16 mil civis mortos e 6,3 mil militares. A maior parte dos civis mortos polas forças invasoras era composta por mulheres e crianças, segundo o estudo.

 

Voltar à página principal

 

 

As crianças som o principal contingente de vítimas mortais civis da campanha "democratizadora" dos EUA no Iraque