AGIR denuncia "burla ao galego" no ensino

16 de Fevereiro de 2005

A organizaçom estudantil da esquerda independentista, AGIR, manifestou o seu rejeitamento às mudanças previstas nas provas de acesso à docência, que incorporam a isençom do conhecimento da nossa língua no professorado de francês, inglês e educaçom física.

AGIR denuncia a participaçom do BNG num "consenso" em torno do novo Plano de normalizaçom apresentado polo PP e apoiado polas três forças parlamentares, cuja concreçom agora podemos comprovar em forma de claro desprezo aos direitos lingüísticos do alunado galego. Nom só nom se dam passos para umha maior assunçom do uso do galego polo professorado, como se promovem novas isençons.

Em palavras de AGIR, "o que se vê aqui é o canto da mesma moeda que conformam PP-PSOE e mais umha mostra das contínuas claudicaçons que fai o autonomismo, pois como vemos agora mesmo nom há qualquer hipótese de avanço. As leis respeitam-se em funçom de a quem lhe convenham".

O estudantado independentista reclama fazer frente à política lingüística do PP em lugar de consensualizar com ele. O comunicado de AGIR conclui garantindo que "seguiremos luitando contra esta pantomima, seja na sua expressom mais reaccionária, seja no rosto amável do espanholismo que o PSOE representa, ou seja na perigosa estratégia conciliadora e pactuante do autonomismo, criándomos umha alternativa revolucionária no caminho de um ensino nacional e monolíngüe em galego".

O comunicado pode ser lido na íntegra no web nacional de AGIR.

 

Voltar à página principal