NÓS-Unidade Popular leva às ruas da Galiza umha campanha pola autodeterminaçom

22 de Novembro de 2004

Enquanto as instituiçons espanholas e os partidos representados no Parlamento autónomo galego furtam o verdadeiro debate que deve dar-se no seio da sociedade galega com umha descafeinada reforma estatutária, a esquerda independentista inicia umha campanha pola autodeterminaçom nacional como verdadeira alternativa democrática para Galiza.

Cidades e vilas da Galiza estám a acolher murais de grandes dimensons com a "palavra maldita" para os constitucionalistas, do PP ao BNG, passando polo PSOE. Todos eles recusam-se a incluir na sua farsa de reforma estatutária um princípio reconhecido polos organismos internacionais como sendo um direito inalienável dos povos. Daí que NÓS-UP esteja empenhada em provocar o debate onde verdadeiramente deve dar-se, no seio da sociedade galega, fora de umhas instituiçons que de partida coarctam qualquer soluçom autodeterminista para os problemas da Galiza.

A organizaçom política unitária da esquerda independentista anuncia no seu web nacional o início de umha campanha que incluirá actos políticos nas principais cidades e vilas do País. Por enquanto, estám marcados os seguintes debates públicos, com participaçom de divers@s representantes da Direcçom Nacional de NÓS-UP:

- Ponferreda. 23 de Novembro às 19.30 horas na Casa da Juventude. Intervém Igor Lugris e Carlos Morais.

- Vigo. 26 de Novembro às 20.30 horas no Local Social A Revolta. Intervém Carlos Morais.

- Compostela. 1 de Dezembro às 20 horas na faculdade de História. Intervém André Seoane e Carlos Morais.

- Ponte Vedra. 2 de Dezembro às 20.30 horas na Reviravolta. Intervém Giana Gomes e Carlos Morais.

- Corunha. 2 de Dezembro no Alfaiate. Intervém Maurício Castro.

- Ponte Areas. 8 de Dezembro às 20 horas. Intervenhem Íria Medranho, Abráam Alonso e Maurício Castro.

- Ferrol. 10 de Dezembro às 20 horas na Fundaçom Artábria. Intervém Carlos Garcia Seoane e André Seoane Antelo.

NÓS-Unidade Popular garante assim que a voz do nosso soberanismo socialista nom fica à margem de um debate que deve ser situado nos seus justos termos: os da necessidade de o povo trabalhador galego exercer os direitos nacionais conculcados por Espanha.

Toda a informaçom da campanha de NÓS-UP, imagens e textos sobre as posiçons independentistas a respeito da reforma estatutária, no web nacional de NÓS-Unidade Popular.

 

Voltar à página principal