Solidariedade juvenil antirrepressiva

3 de Março de 2005

A organizaçom juvenil independentista BRIGA publica no seu web nacional um posicionamento solidário em relaçom com o julgamento imposto a um militante ourensano da AMI, previsto para 28 de Março. O processo repressivo enquadra-se na vingança judicial empreendida nos últimos meses contra activistas do grande movimento social articulado na Galiza durante a crise do Prestige, em 2002 e 2003.

Em concreto, o jovem militante da AMI é acusado de ter participado em acçons de sabotagem acontecidas em Dezembro de 2002 contra várias sedes bancárias e outras empresas envolvidas em negócios petrolíferos. O argüido foi espancado por efectivos da polícia espanhola após a sua detençom e permanência na esquadra, e agora enfrenta um arbitrário pedido de dous anos de prisom e 6000 euros de multa por parte da procuradoria espanhola.

BRIGA denuncia a "espiral repressiva" que envolve dúzias de militantes do MLNG, "que procura anular consciências e acovardar ánimos, além de estigmatizar socialmente todo o que seja trabalho político minimamente comprometido". O texto de solidariedade pode ser lido na íntegra no web nacional de BRIGA.

Também Primeira Linha em Rede quer fazer público o seu apoio ao militante da AMI, apoio que estendemos a todos os companheiros e companheiras que som alvo da política repressiva do Estado espanhol polo seu compromisso com a Galiza e as suas classes populares.

 

Voltar à página principal