Seis membros da Plataforma antifranquista de Ponte Areas serám julgados por exigir retirada de monumento a Franco

11 de Fevereiro de 2005

A Justiça espanhola pretende julgar seis membros da Plataforma pola Retirada do Monumento a Franco, de Ponte Areas, por iniciativa da reaccionária UCPA, organizaçom da direita localista governante nesse concelho quando a Plataforma promoveu a campanha objecto da denúncia.

A escusa é a ediçom de um cartaz exigindo a retirada do monumento a Franco da vila e a mudança dos nomes das ruas dedicadas a franquistas. O procurador (fiscal na nomenclatura espanhola) acusa agora de um delito de "injúrias em tempo eleitoral" @s seis activistas, por utilizar o rosto da líder da UCPA num cartaz de rua.

Na altura, a presidenta da Cámara, Nava Castro, negava-se a cumprir a resoluçom do Pleno, que obrigava a retirar o monumento fascista, ante o qual a citada Plataforma desenvolveu iniciativas muito variadas contra a simbologia franquista presente no concelho de Ponte Areas, numha campanha que concluiu com um concerto de participaçom massiva.

O procurador pede agora umha multa de 18.900 euros e umha indemnizaçom de 3000 euros à UCPA e outra de 3000 para Nava Castro.

A Plataforma anunciou já umha campanha de apoio e solidariedade aos vizinhos, que unicamente exercêrom a liberdade de expressom em defesa do cumprimento de um dever democrático por parte do Governo municipal da UCPA.

Mais umha vez, de Primeira Linha em Rede temos de manifestar o nosso incondicional apoio aos seis companheir@s que estám a ser situados como alvo da repressom exemplarizante contra um movimento, lembremos, que acabou por conseguir a retirada do monumento a Franco na vila de Ponte Areas.

 

Voltar à página principal

 

 

Um momento da retirada final do busto de Franco imposto pola direita, após sucessivas campanhas do movimento popular de Ponte Areas