Seis dias de prisom domiciliar por pedir liberdade de expressom

24 de Março de 2005

Os militantes de NÓS-UP Antom Santos e Ángelo Meraio, e a também independentista Beatriz Gilino, recebêrom há um par de meses a sua condena irrevogável a passarem 6 dias de Localizaçom Permanente e ao pagamento de 150 € de multa. Os factos por que tenhem de cumprir tam desmesurada condena som a realizaçom de várias pintadas na cidade de Compostela há quase três anos, nas quais precisamente exigiam do Governo municipal "liberdade de expressom" ante o julgamento de umhas companheiras e companheiros pola realizaçom de um mural reivindicativo.

Estamos ante mais um exemplo do julgamento massivo que vizinhas e vizinhos de Compostela estám a padecer por umha mal chamada Ordenança de Meio Ambiente. Esta lei municipal classifica como delitos fazer murais ou colar cartazes e autocolantes e é parte central da cruzada que da Cámara municipal se está a exercer contra os movimentos sociais da cidade.

A pena da Localizaçom Permanente, já cumprida por Beatriz Gilino e pendente de execuçom durante as férias de Primavera polos dous militantes, consiste na impossibilidade de sair da morada habitual durante seis dias; para isto, a polícia tem liberdade de actuaçom para ir a qualquer momento do dia a comprovar o cumprimento.

 

Voltar à página principal